Assine Já
domingo, 18 de abril de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
http://www.alerj.rj.gov.br/
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 33583 Óbitos: 1249
Confirmados Óbitos
Araruama 8610 270
Armação dos Búzios 4104 54
Arraial do Cabo 1165 61
Cabo Frio 8993 441
Iguaba Grande 3308 82
São Pedro da Aldeia 4591 188
Saquarema 2812 153
Últimas notícias sobre a COVID-19
impeachment

Por 55 votos a 22, impeachment passa no Senado e Dilma é afastada por até 180 dias

Presidente e vice Michel Temer serão notificados ainda nesta quinta-feira (12)

12 maio 2016 - 09h18
Por 55 votos a 22, impeachment passa no Senado e Dilma é afastada por até 180 dias

Senadores de oposição comemoram resultado da votação (Marcelo Camargo - Agência Brasil)

Em sessão que durou mais de 20 horas e terminou apenas no começo da manhã desta quinta-feira (12), o plenário do Senado Federal aprovou por 55 votos a 22 a abertura de processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff  (PT). Agora, Dilma ela fica afastada do mandato por até 180 dias, até o julgamento final pelo Senado. Com o afastamento de Dilma, o vice Micherl Temer (PMDB) assume como presidente em exercício.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), não votou – ele só votaria em caso de empate. Dois senadores, de licença médica, se ausentaram: Jader Barbalho (PMDB-PA) e Eduardo Braga (PMDB-AM).

Dilma e Temer serão oficialmente notificados ainda na manhã desta quinta (12) da decisão do afastamento.

Por decisão de Renan, durante o período que ficará afastada, Dilma continuará a ter direito à residência oficial do Palácio da Alvorada, segurança pessoal, assistência saúde, remuneração, transporte áreo e terrestre e equipe a serviço do gabinete pessoal da Presidência.

A partir de agora, o Senado vai investigar se houve indícios de crime responsabilidade para o julgamento definitivo, em data ainda indefinida, mas possivelmente em setembro, que será presidido pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski. Para que haja o afastamento definitivo de Dilma, serão necessários os votos favoráveis de dois terços (54) dos 81 senadores.