Assine Já
segunda, 25 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
TCE

Políticos cabofrienses aparecem no listão do TCE

Três ex-presidentes da Câmara Municipal são investigados por gastos com cursos e eventos

07 setembro 2017 - 10h53Por Rodrigo Branco
Políticos cabofrienses aparecem no listão do TCE

Três ex-presidentes da Câmara de Cabo Frio fazem parte da lista de 84 políticos de todo o estado que têm os gastos com eventos e cursos investigados por técnicos do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ). Eles ocupavam a chefia do Poder Legislativo Municipal entre os anos de 2010 e 2014. O órgão estadual questiona a necessidade das despesas, ordenadas por Alfredo Gonçalves (2010); Silas Bento (2011/2012) e Marcello Corrêa (2013/2014).

O processo 228552-2 tramita no órgão desde outubro de 2015. Além da pertinência e eficácia dos treinamentos para a atividade parlamentar, o órgão ressalta o fato de que as despesas não estavam previstas no Plano Plurianual (PPA) da Casa. O tribunal estipulou um prazo de 30 dias para que os três justificassem os gastos e enviassem os documentos de comprovação das despesas com viagens, hospedagens e de outra natureza. Apenas Alfredo e Marcello o fizeram, mas as respostas não convenceram os técnicos do TCE-RJ. O processo segue em tramitação e, no último dia 22 de junho, o conselheiro substituto Rodrigo Melo do Nascimento proferiu voto por nova notificação da defesa.

No caso de Alfredo, estão sendo contestados gastos de R$ 6.239,04, divididos em dois processos, para a participação dos ex-vereadores Rogério do Laboratório e Fabinho da Saúde no 418º Encontro Nacional de Prefeitos, Vereadores, Vice-Prefeitos, Secretários municipais, Assessores e Servidores, realizado em Fortaleza, no Ceará, entre 27 e 21 de julho de 2010. Alfredo nega qualquer irregularidade.

– Minhas contas foram aprovadas. Nada foi superfaturado. Os vereadores me pediram essa viagem porque alegaram que seria bom para o crescimento político e profissional deles. Eu preferi não fazer. Se é imoral, cabe a eles dizerem, mas legal era – comentou Alfredo, afirmando ‘ter devolvido dinheiro do duodécimo’ (repasse do Executivo) ao fim da sua gestão.

A Folha não consegui entrar em contato com Fabinho, mas segundo Rogério do Laboratório, o evento no Nordeste foi ‘proveitoso’ do ponto de vista do desenvolvimento parlamentar.

– Aproveitei para ganhar mais esclarecimento no campo tributário, que era uma dificuldade muito grande para mim – afirma o ex-vereador.

No caso de Marcello Corrêa, as somas são maiores. O relatório do TCE aponta para a autorização de despesas de R$ 14.482,92, referentes à participação de parlamentares na 2ª Mobilização Nacional dos Vereadores, em Brasília, entre 6 e 8 de maio de 2014. Marcello não foi localizado para comentar o assunto.

Hoje deputado estadual pelo PSDB, Silas Bento não enviou a documentação pedida pelo tribunal para a quantificação dos gastos. Ele pediu para que a reportagem ligasse mais tarde por estar no funeral do produtor Mateus Pagalidis, mas depois não atendeu mais às chamadas.