Assine Já
segunda, 23 de novembro de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11377 Óbitos: 530
Confirmados Óbitos
Araruama 2262 116
Armação dos Búzios 1000 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3609 179
Iguaba Grande 1034 39
São Pedro da Aldeia 1693 75
Saquarema 1415 89
Últimas notícias sobre a COVID-19
plebiscito

Plebiscito pode decidir sobre Guarda armada

Projeto de decreto legislativo precisa da assinatura de sete vereadores

01 julho 2017 - 13h53Por Rodrigo Branco | Foto: Reprodução
Plebiscito pode decidir sobre Guarda armada

O projeto de lei que adequa a Guarda Municipal de Cabo Frio ao Estatuto Geral das Guardas (Lei Federal 13.022/2014) tramita nas comissões da Câmara Municipal, mas o ponto mais polêmico do texto, o que permite o armamento da tropa, pode ser decidido pela população. O vereador Rafael Peçanha (PDT) acabou de protocolar um projeto de decreto legislativo que estabelece um plebiscito para que o assunto passe pelo crivo dos cabofrienses.

 Para que o projeto entre em pauta, são necessárias as assinaturas de sete vereadores. A expectativa é que a questão avance na volta do recesso parlamentar, no começo de agosto. A consulta popular seria aprovada em caso de maioria simples dos vereadores. Segundo Peçanha, o Estatuto Geral deixa brecha para levar a decisão para as mãos do povo.

– A adequação ao Estatuto é muito mais que a questão do armamento da Guarda. Mas o ponto polêmico é esse. Por causa disso, resolvermos destacar isso do texto para propor o plebiscito. Sem haver a comunhão entre a política pública e a vontade popular não tem democracia. Mas isso vai correr independentemente do projeto de regulação à lei, para não atrasar a vida deles (guardas) – diz.

O autor do projeto de lei, o vereador Vanderlei Bento (PMB) viu-se envolvido em uma polêmica durante a semana, exatamente por causa da possibilidade de armamento da Guarda. Vanderlei negou que tenha dito que é favorável ao assunto e afirmou que a decisão caberá à prefeitura.

– A minha lei é visando à valorização dos guardas, que ganharam a atribuição de proteger vidas. A questão das armas fica à escolha do Executivo. Pode ser arma letal, não-letal ou nenhuma, como artes marciais, por exemplo. Dizer que eu sou a favor da guarda armada é mentira – alega o líder da oposição.

Independentemente da questão, os guardas têm pressionado os vereadores para que o projeto de Vanderlei tramite mais rapidamente no Legislativo. Atualmente, a matéria encontra-se na Comissão de Políticas Públicas. O texto ainda precisa passar pela Comissão de Redação Final antes de ir para a sanção do prefeito Marquinho Mendes (PMDB).

O delegado sindical Joel Pires Marques afirma que, com as novas atribuições de previstas no Estatuto Geral, a decisão de armar as guardas é um caminho natural. O experiente guarda pondera ainda que a situação representará um reforço no contingente de segurança da cidade, sem custo extra para o Estado. No entanto, ele admite que é preciso aumentar o rigor nos cursos de formação e até mesmo no processo de seleção dos novos agentes a partir de agora.

– Deve haver a adequação e a capacitação verdadeira, fundamentada e bem trabalhada do servidor, que deve ser vocacionado ao que se propôs a fazer – conclui Joel.