Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
empréstimo

Paulo Henrique Corrêa: "Não votaremos o empréstimo às escondidas"

Presidente da CCJ admite que artigo que dá arrecadação do município como garantia a banco pode ser retirado de mensagem

25 maio 2016 - 11h12Por Rodrigo Branco
Paulo Henrique Corrêa:  "Não votaremos o empréstimo às escondidas"

Atentos ao fato de que não têm a maioria para aprovar o empréstimo de até R$ 200 milhões pretendido pelo prefeito de Cabo Frio Alair Corrêa (PP), os governistas já admitem mexer no texto original da mensagem enviada pelo Executivo à Câmara para tentar virar o jogo.

Em matéria publicada pela Folha na última sexta (20), alguns vereadores que hoje são contrários à operação financeira afirmaram que poderiam mudar de posição caso o artigo 4 da mensagem, que dá como garantias do empréstimo para o Banco do Brasil recursos de arrecadação própria como ICMS e ISS, não seja retirado do texto.

De acordo com o presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Casa, Paulo Henrique Corrêa (PP), uma definição sobre o assunto deve ocorrer até esta quarta-feira (25), antes do feriadão de Corpus Christi. O prazo de 15 dias para que o grupo emita um parecer termina na sexta (27), quando a Câmara terá ponto facultativo. Caso não haja convocação de emergência para sessão extraordinária, a matéria retorna à pauta na próxima terça-feira.

Mas Paulo Henrique não revela se a tendência do grupo, que tem maioria governista entre os sete membros, é retirar ou modificar o artigo.

– Vamos sentar e avaliar o melhor a ser feito. Se vermos que o artigo 4 complica o empréstimo, vai ser retirado, se não, não vai ser retirado – afirma.

O presidente da CCJ rechaça a insinuação de opositores de alguma manobra para que a votação seja feita de surpresa.

– Jamais isso vai acontecer. Não existe a menor condição de acontecer de forma escondida ou no feriado. As reuniões são abertas até para quem não é da comissão, como o Aquiles (Barreto, líder da oposição) – afirma.

Leia também:

Enquete com vereadores aponta tendência de barração do empréstimo