Assine Já
quarta, 08 de julho de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
TEMPO REAL Suspeitos: 301 Confirmados: 3282 Óbitos: 191
Suspeitos: 301 Confirmados: 3282 Óbitos: 191
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 270 654 41
Armação dos Búzios X 266 7
Arraial do Cabo 9 83 11
Cabo Frio X 1016 62
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 2 517 19
Saquarema 7 528 31
Últimas notícias sobre a COVID-19
Política

Para fortalecer base, PSDB estadual deve lançar pré-candidato a prefeito em Cabo Frio

Tucanos querem voar alto

03 setembro 2015 - 10h01

RODRIGO BRANCO

 

Disposto a acabar com a he­gemonia petista na Presidência da República nas eleições de 2018, o PSDB está olhando para as suas bases e o fato pode ter influência direta no quadro su­cessório cabofriense no próxi­mo ano. Em reunião realizada ontem, na Cinelândia, no centro do Rio, com a presença do pre­sidente estadual da legenda, o deputado federal Otávio Leite, ficou praticamente definido que o partido lançará candidatura própria na cidade para a disputa, daqui a 13 meses, e neste caso, o nome natural para concorrer ao pleito é o do atual vice-prefeito Silas Bento.

    

A intenção dos caciques tu­canos é fortalecer a base da le­genda no interior do Estado a fim de potencializar o discurso antipetista, já consolidado na capital e na Região Metropoli­tana, por conta dos desdobra­mentos da Operação Lava Jato. Nas eleições de 2014, a falta de articulação política fora dos grandes centros prejudicou a candidatura do senador minei­ro Aécio Neves na disputa com Dilma Rousseff (PT) em áreas de grande abrangência dos pro­gramas sociais do Governo Fe­deral, como o ‘Bolsa Família’ e o ‘Minha Casa, Minha Vida’.

Outro fator é a tentativa da cú­pula tucana de tomar as rédeas do processo nas eleições presi­denciais de 2018, seja o can­didato Aécio, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin ou o senador pelo mesmo estado, José Serra. No ano passado, esse papel ficou com o grupo ligado ao presidente da Assembleia Le­gislativa, Jorge Picciani, o que desencadeou o chamado movi­mento ‘Aezão’, de apoio ao mi­neiro e ao atual governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (3)