Assine Já
sexta, 30 de julho de 2021
Região dos Lagos
18ºmax
10ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46181 Óbitos: 1868
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5463 57
Arraial do Cabo 1574 87
Cabo Frio 12663 757
Iguaba Grande 4763 115
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
DIÁLOGOS

"O grande problema é fruto dessa alta folha", diz Clésio Guimarães

Secretário de Fazenda de Cabo Frio abre as contas e diz que crise financeira é agravada por pressão política

29 janeiro 2020 - 20h58Por Tomás Baggio

Aos 72 anos, em sua terceira passagem como secretário de Fazenda de Cabo Frio, o administrador Clésio Guimarães Faria não se faz de desentendido e nem poupa palavras para dar a solução da recuperação econômica do município: não há outra saída, ele diz, que não seja a diminuição da folha de pagamento da Prefeitura. A opinião desagrada seus pares no governo, mas ele se mantém firme. Declara, inclusive, que a situação se arrasta por pressão política.

Clésio é uma espécie de guru financeiro na cidade. Foi secretário nos primeiros governos de Marquinho Mendes (administração que foi de 2004 a 2008), em tempos de bonança financeira. Depois, voltou com Marquinho em 2016. Com a eleição de Adriano Moreno, ficou, em princípio, nos bastidores. Mas quando a situação saiu do controle, foi chamado novamente para chefiar a pasta. E aceitou, mesmo que sua opinião, sempre dita com liberdade, muitas vezes não seja seguida pelos chefes do Executivo.

–  Para mim, como técnico, é fácil falar porque eu só vejo os números. Já o político vê o lado social, tem essa questão também – afirma.

Clésio se diz motivado e garante que tem muito a colaborar com a cidade - e por isso não desiste. Nesta entrevista, ele faz um raio-x das contas públicas ("abro os números a todos que me procuram"), dá alternativas para a cidade voltar a investir e fala sobre o livro que acaba de escrever, que analisa a bíblia sob a ótica econômica.

–  A exploração do próximo para obter mais ganhos é um desvirtuamento do propósito divino – afirmou ele, dando a deixa para que a conversa viajasse até os conceitos de capitalismo e comunismo.

Leia na íntegra:

Folha – Como está a previsão de acerto dos pagamentos atrasados?

Clésio Guimarães –
 Temos a expectativa de conseguir acertar tudo até o dia 10 de fevereiro. O salário do mês até o quinto dia útil e o 13º, para quem falta, até o dia 10.

Folha – O que está em atraso?

Clésio –
 Tem o salário de dezembro para contratados e comissionados da saúde. Porque eles já receberam o 13º, então ficaram na segunda etapa do pagamento do salário do mês. A previsão é quitar isso nesta sexta-feira (31 de janeiro), com dinheiro do IPTU. Já os contratados da administração e comissionados da administração não receberam o 13º, então receberam o mês de dezembro. Em relação ao 13º, faltam os comissionados, contratados e efetivos da administração, efetivos da educação e aposentados.

Folha – Quanto o município arrecadou em janeiro?

Clésio –
Foram R$ 54 milhões até o dia 28 de janeiro. Sendo que, deste montante, R$ 10,7 milhões são do Fundeb, R$ 1,9 milhão do salário educação, R$ 11,4 milhões de royalties, R$ 477 mil do fundo de saúde e R$ 12 milhões de IPTU. São cerca de R$ 14 milhões em verbas carimbadas, ou seja, que têm destinação específica, não podem ser mexidas. Nossa perspectiva é de que a arrecadação de janeiro fique em torno de R$ 60 milhões.

Folha – É uma arrecadação ruim?

Clésio –
 Não, é boa.

Folha – Então por que o governo diz que não tem dinheiro para os pagamentos?

Clésio – 
Nem todas as entradas que constam no Portal da Transparência, por exemplo, se transformam, efetivamente, em recursos financeiros. Um exemplo é o FPM (Fundo de Participação dos Municípios), de cerca de R$ 3 milhões por mês. O dinheiro fica retido para pagamento de dívida com o INSS, mas o valor é lançado como entrada. Ou seja, consta que entrou mas não temos acesso a esse dinheiro. A mesma coisa com o fundo de saúde, e outros. É contabilizado, mas o dinheiro não entra aqui. O que entra, efetivamente, é menos.

Folha – Ainda assim, aparentemente existe uma sobra... qual é o valor total da folha de pagamento atualmente?

Clésio – 
A folha bruta está em R$ 38 milhões. E agora temos que pagar 13º e dezembro juntos, além de outros pagamentos.

Folha  – A folha de pagamento continua inchada então...

Clésio –
 Muito.

Folha – São quantos funcionários atualmente na Prefeitura?

Clésio –
Na administração direta são 12.873. Fora aposentados, Comsercaf e o fundo de Promoção Social. No total, cerca de 14 mil.

Folha – O senhor vem falando há bastante tempo da necessidade de diminuição da folha de pagamento. Tanto no governo Marquinho Mendes, como agora, no governo Adriano. Continua defendendo isso?

Clésio –
Continuo defendendo. Acho que o grande problema que nós enfrentamos hoje é fruto dessa alta folha.

Folha – É tanto tempo batendo nessa tecla, e mesmo que isso não seja feito, estão sempre o convidando para comandar as finanças do município. Acredita que falta o que para diminuir a folha a um patamar aceitável?

Clésio – Acredito que isso ocorre (folha inchada) por pressão política, né? Assim é a visão que eu faço. Quando eu entrei aqui (como secretário no governo Adriano), no dia 1º de agosto, eu dei uma declaração para a Folha que repercutiu mal entre os meus pares, quando eu falei que teria que reduzir cortando comissionados e contratados. O pessoal me criticou. Mas eu continuo falando a mesma coisa. Porque a folha inchada pode ultrapassar o limite da Lei de Responsabilidade Fiscal, aí o prefeito pode responder por improbidade. Além disso, compromete os investimentos que precisam ser feitos e ainda cria uma antipatia, porque o salário atrasado gera um desgaste. Então são só senões.

Folha – Qual é a saída financeira para a cidade?

Clésio – Em todo esse período de crise, o problema vem sendo a folha elevada. Foi assim quando deu aquele problema todo com o Alair. O Marquinho teve muita dificuldade, na época eu falava que era necessário reduzir em pelo menos R$ 4 milhões, e agora com o Adriano eu também falo, o ideal é reduzir de R$ 5 milhões a R$ 6 milhões. O que vejo é uma dificuldade política para fazer isso. É pressão de todo lado.

Folha – Se sente desprestigiado por não ter sua recomendação atendida?

Clésio –- Para mim, como técnico, é fácil falar porque eu só vejo os números. Já o político vê o lado social, tem essa questão também. Você vai mandar mil pessoas embora, e elas vão fazer o que em uma cidade sem alternativas? A gente compreende. Mas, como técnico, eu vejo os números e falo em cima disso.

Folha – Não existe perspectiva, então?

Clésio – Em curto prazo o único jeito é cortar a folha. A médio e longo prazo, criar alternativas de empregabilidade na cidade.

Folha – Qual tem sido a arrecadação média?

Clésio –- No ano passado foi de aproximadamente R$ 50 milhões por mês. Este ano deve ser na mesma margem, talvez um pouco mais.

Folha – É aí que o cidadão não entende. Se arrecada R$ 50 milhões e a folha é de R$ 38 milhões, tem uma sobra de R$ 12 milhões por mês...

Clésio – Mas esse recurso não é só para salário. Tem verba carimbada, conta de energia, água, o que vai para a Comsercaf para coleta de lixo, varrição, aterro sanitário, parcelamento do INSS, Pasep...

Folha – Nesta situação de dificuldade, em que os gastos excessivos deixam as finanças fora de controle, o que o motiva a seguir nesta função?

Clésio – Me sinto útil. Estou aposentado, filho criado, renda própria, minha vida está resolvida. Me sinto com saúde, posso colaborar com meu município. Enquanto estiver sendo respeitado, como sou... meu não é não, meu sim é sim. Enquanto me ouvirem, dou a minha contribuição. Foi assim com Marquinho e é assim com Adriano.

Folha – Teme ficar manchado por estar no centro desta crise?

Clésio – Eu olho nos olhos de todos os sindicalistas. Ando pela cidade à pé, de cabeça erguida. É isso que eu posso dizer. Não devo nada a ninguém. Disponibilizo as contas a todos que me procuram. Faço aquilo que um cristão tem que fazer, que é agir com integridade, honestidade e transparência.

Folha – Por falar em princípios cristãos, o senhor vai lançar um livro (A Bíblia e as Finanças: o Ambiente Econômico na Bíblia - Sophia Editora). Do que trata? Porque fez essa pesquisa?

Clésio – Sim, só falta fazer a minha fotografia (risos).

Folha –  É um tema interessante...

Clésio – Muito. Trata do ambiente econômico, trata a Bíblia sob a ótica econômica. A economia é uma coisa pura. Se ela fosse praticada da forma como foi concebida, teríamos uma economia mais justa. O que macula é a ganância do homem de querer explorar o próprio homem. A Bíblia prega isso. Quando o homem explora o homem, macula este conceito de economia pura.

Folha – Como isso se aplica dentro do contexto atual, de um mundo capitalista, em que se busca a mais valia?

Clésio – Na origem da Bíblia, as pessoas produziam para todos. Quando o homem descobriu que poderia explorar o próximo, começou o problema. Isso não é uma coisa nova. O capitalismo já vem desde o tempo bíblico, quando havia escravidão, pessoas eram presas por dívidas... a economia foi criada por Deus. As árvores dão frutos, existe a capacidade de produzir e colher, isso tudo foi criado por Deus. A exploração do próximo para obter mais ganhos é um desvirtuamento do propósito divino.

Folha – Obviamente que as teses econômicas são mais modernas do que isso, mas é possível interpretar esse ponto de vista sob uma ótica comunista? O conceito de igualdade econômica e social é associado ao comunismo.

Clésio – O que Jesus ensinou quando um homem rico foi procurá-lo? Ele disse: 'vende tudo o que você tem, dê aos pobres e siga-me'. A palavra comunismo quer dizer 'aquilo que é comum'. Então isso poderia ser, digamos assim, um comunismo puro. O comunismo, em sua essência, é uma coisa pura. Mas não vale na política. O comunismo como política não tem essa visão de pureza. Isso não é praticado na política. O fato é que Jesus pregava que as oportunidades fossem comuns a todos. Só que o homem transformou isso em uma ideologia política, e deturpou esse conceito. Criou-se um estigma em cima da palavra comunista. Mas dividir as coisas faria o mundo ser mais justo. Aí vem o capitalismo, a exploração do homem pelo homem, e temos o que é hoje.

Folha – Que recado o senhor deixa para os servidores e cidadãos que esperam dias mais tranquilos neste ano?

Clésio – Estamos fazendo o nosso trabalho. Cobrar dívidas, arrecadar de forma justa, buscando recursos para colocar os pagamentos e dia e gerar recursos para investimentos. Mas para isso é preciso que a folha de pagamento seja reduzida.

Folha – Em ano eleitoral, isso vai ser difícil, não vai?

Clésio – Sim, vai ser difícil.  

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.