Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
20ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
mp

Ministério Público vai à Justiça contra Alair Corrêa

Diferenciação no pagamento a grevistas motiva a ação de improbidade

02 julho 2016 - 11h09Por Rodrigo Branco, Rodrigo Cabral

RODRIGO BRANCO E RODRIGO CABRAL

O Ministério Público do Esta­do, através da 2ª Promotoria de Tutela Coletiva de Cabo Frio, vai ajuizar, nos próximos dias, ação civil pública por impro­bidade administrativa contra o prefeito Alair Corrêa (PP), por ter dado prioridade de pagamen­to a servidores que não aderiram à greve. Em caso de derrota na Justiça, Alair pode ter os direitos políticos suspensos e ser multado.

– Feriu-se o princípio da im­pessoalidade, da legalidade e da moralidade. Não é o que se espe­ra de um administrador público. No momento em que pessoas es­tão sendo tratadas de formas di­ferentes, não está sendo conside­rando o interesse público – disse à Folha a promotora Vânia Cirne.

Após recomendação do órgão para que fosse feito o pagamento sem distinção de todos os funcio­nários que não receberam o salá­rio do mês de maio, a Prefeitura enviou à promotora documento informando o escalonamento por faixa salarial: até R$ 1 mil (até o dia 8), de R$ 1 mil a R$ 2 mil (até o dia 15), de R$ 2 mil a R$ 4 mil (até o dia 22) e acima de R$ 4 mil (até o dia 29). O ofício foi assina­do pelo prefeito, pelo secretário de Administração, Juliano Souza de Almeida, e pela procuradora-geral, Daniele da Cruz Teijeiro.

No entanto, a promotora con­siderou a resposta insuficiente. Primeiro, por não ter sido enviada a folha de pagamento, conforme requerido. Segundo, pelo fato de documentos bancários levados à promotoria por servidores des­mentirem o ofício do governo – que, inclusive, fala em pagamen­to de “forma isonômica”.

– A última data [de pagamen­to] seria 29 de junho. Mas, hoje [ontem], há pessoas que ainda não receberam. Ter contracheque não significa nada. A questão é ter o dinheiro na conta. Enquanto a Prefeitura mostrou um calendário, as pessoas confirmaram por meio de extrato bancário que não foram pagas. Isso aponta a omissão do mu­nicípio em pagar os servidores.

Vânia Cirne afirmou que o MP poderá questionar, inclusi­ve, a veracidade do documento apresentado pela Prefeitura.

– Poderiam ter respondido que não há dinheiro para os pa­gamentos. Mas mostraram um escalonamento, como se esti­vessem pagando. Estou aqui, por exemplo, com o extrato de uma pessoa, que está com mui­to pouco dinheiro. Há, também, quem teve de pegar empréstimo consignado. Me pergunto como essas pessoas estão fazendo para pagar as contas – questionou Vâ­nia Cirne, enquanto folheava, em sua mesa, o calhamaço de provas enviadas pelos trabalhadores.

* Matéria completa na edição deste fim de semana da Folha dos Lagos.