Assine Já
terça, 07 de julho de 2020
Região dos Lagos
26ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
TEMPO REAL Suspeitos: 311 Confirmados: 3077 Óbitos: 182
Suspeitos: 311 Confirmados: 3077 Óbitos: 182
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 272 585 40
Armação dos Búzios X 265 7
Arraial do Cabo 9 83 11
Cabo Frio X 954 58
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 1 479 16
Saquarema 16 493 30
Últimas notícias sobre a COVID-19
Política

“Minha hora de tribuna vai chegar”

Jefferson Vidal (PSC) é o primeiro vereador entrevistado para série especial da Folha

07 julho 2015 - 10h25
“Minha hora de tribuna vai chegar”

RODRIGO BRANCO

A partir de hoje, a Folha começa uma série de entrevistas com os vereadores de Cabo Frio e o primeiro a figurar na seção ‘Na Tribuna’ é um estreante na Câmara, que se tem atuação discreta em plenário, garante ‘trabalhar muito’ nos bastidores e diz que prefere que seja desta forma. O presidente municipal do PSC, Jefferson Vidal, 40, fala dos planos de expansão do partido e diz ser fiel ao prefeito Alair Corrêa (PP). Apesar da relação não ser, admite, um ‘mar de rosas’.

– Se eu disser que estou no auge do relacionamento com o prefeito, estou mentindo. Mas me considero da base aliada e acho que o prefeito pensa da mesma forma – afirma.

Folha dos Lagos – Seu partido tem ganhado mais relevância em nível nacional e estadual, chegando a ter candidatura própria à Presidência (Everaldo ficou em quinto no 1º turno, com 780.513 votos). Como a sigla tem se preparado no município?
Jefferson Vidal –
Em Cabo Frio, o PSC sempre teve tradição de fazer dois, três vereadores. Agora estamos montando nominata para fazer três e possivelmente um quatro. Nunca tivermos chances tão reais para isso. Política é matemática.

Folha – Como o partido tem trabalhado para isso?
Jefferson – Temos nos reunido todos os meses. Tem partido com apenas cinco, sete candidatos e nós estamos com um número entre 42 e 50, além de 29 novos filiados. Estamos bem consolidados pela história do partido em Cabo Frio. Além disso, pela primeira vez, a Executiva não tem parente ou cabo eleitoral meu. São nomes de expressão, que na eleição fizeram 800, 1.200 votos. Estamos consolidados e neutros, sem Marquinho ou Alair Corrêa.

*Leia matéria completa, da primeira de dezessete entrevistas, na edição impressa desta terça na Folha.