Assine Já
quarta, 01 de abril de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
22ºmin
stf

Miguel Jeovani volta à prefeitura com liminar do STF

Prefeito de Araruama estava afastado desde 28 de janeiro deste ano

02 julho 2014 - 22h17Por Filipe Rangel | Foto: Divulgação
Miguel Jeovani volta à prefeitura com liminar do STF

Miguel Jeovani está de volta à Prefeitura de Araruama. O Supremo Tribunal Federal, em Brasília, concedeu liminar na tarde de ontem que libera o prefeito a retomar o cargo para o qual foi eleito com 33 mil votos em outubro de 2012. Horas antes, a defesa de Jeovani havia garantido, na Justiça do Rio de Janeiro, o desbloqueio dos bens do político e a fixação de prazo máximo de afastamento para 180 dias.

O advogado de defesa do prefeito, Carlos Magno de Carvalho, comemora a decisão que reconduz Jeovani à Prefeitura de Araruama. Para ele, este é o primeiro passo para inocentar totalmente o político no processo.

– Essa é a vitória de um homem de bem, que foi acusado injustamente de participar de um esquema fraudulento em relação à merenda escolar. É a vitória de quem foi afastado irregularmente da Prefeitura de Araruama. A luta agora é para inocentá-lo totalmente neste processo, e acredito que vamos conseguir – afirmou, confiante, Carlos Magno.

As duas vitórias judiciais no mesmo dia cresceram a confiança de Magno em um desfecho positivo para Jeovani.

– Antes da decisão em Brasília, havíamos tido uma significativa vitória na Justiça do Rio. Ela nos deixa mais confiantes ainda numa vitória final, a inocentação do Miguel Jeovani – disse ele.

Relembre – Miguel Jeovani foi afastado do cargo no dia 28 de janeiro deste ano, quando o Ministério Público obteve liminar pedindo o afastamento devido à suspeita de fraude na licitação de compra de merenda para as escolas do município.

Além do prefeito, a liminar afastou outros sete funcionários, incluindo a secretária de Educação, Berta Antunes, o procurador-geral do município e integrantes do setor de licitações do executivo municipal. Ao todo, 20 pessoas são investigadas.

Jeovani chegou a ensaiar sua volta, um dia depois, ao obter a anulação da liminar do MP. Mas o retorno foi frustrado na Justiça no primeiro dia de fevereiro. A desembargadora Leila Mariano determinou, pela segunda vez em menos de uma semana, o afastamento do prefeito de Araruama.