Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Miguel Alencar

Miguel Alencar quer unir centro de Cabo Frio com periferia

Novo vereador se diz aberto para política participativa na Câmara Municipal

12 outubro 2016 - 10h58Por Fernanda Carriço
Miguel Alencar quer unir centro de Cabo Frio com periferia

Aos 35 anos, Miguel Alencar (PPS) se candidatou pela primeira vez a uma cadeira na Câmara e conseguiu uma vaga ao receber 1.385 votos. Estreante na política, ele defende um mandato com a participação popular e pretende unir periferia e centro na construção de uma nova cidade: ‘existe um hiato realmente entre o centro e a periferia’.

Folha – Qual a sensação de ganhar na primeira tentativa?

Miguel Alencar – Me sinto muito feliz, na verdade foi uma coisa muito bem planejada. Fortalecimento de grupo, um projeto de grupo e não um projeto só do Miguel Alencar. Então foi um esforço que levou ao nosso objetivo. E quando você trabalha muito você consegue o que quer.

Folha – E o seu grupo é ligado à cultura. É essa a sua bandeira?

Miguel – Não só essa. Na verdade a gente começou o projeto com o grupo da cultura. Mas quando a gente começou o processo político o nosso grupo aumentou muito, eu comecei a conhecer realmente a cidade de Cabo Frio. Então nosso grupo passou a ser não mais só da cultura e sim do coletivo, para a discussão da cidade. Então hoje a gente tem um grupo em todos segmentos culturais, em todas classes e isso é muito interessante. Por isso eu acho que nosso fortalecimento político só tende a crescer cada vez mais.

Folha – E o que a gente pode esperar do vereador Miguel Alencar?

Miguel – Um vereador atuante para a cidade, que acho que é o que precisa. Alguém que queira legislar, é o que está faltando. Existem, mas acho que a gente pode através do coletivo mostrar que existe uma parcela da sociedade que quer isso. Quer alguém que realmente defenda os interesses da sociedade e que possa abrir um canal de discussão. Um mandato participativo, que é o que a gente defende o tempo todo. A gente quer estar lá dentro para poder chamar os segmentos para a discussão da nossa cidade. Para que a gente não dependa apenas de poucos para discutir o desenvolvimento da cidade. A gente quer que toda a sociedade participe. É isso que a gente quer fazer do nosso mandato.

Folha – Já tem algum projeto em mente?

Miguel – Não. A gente não está discutindo isso ainda. Estamos numa fase de agradecimento, de entrevistas, tenho ido de casa em casa para agradecer as pessoas que apoiaram. Estou passeando pela cidade e começando a entender o funcionamento da Câmara, que é o que preciso fazer nesse momento. E a partir disso, começar a pensar nos projetos do primeiro mandato. Eu acho que o primeiro projeto de qualquer vereador que entrar agora tem que fazer é pela união, para se rediscutir as finanças do município. A gente tem que buscar novas receitas, e a Câmara Municipal precisa estar unida para isso. Acho que os vereadores que estão entrando, já estão com esse pensamento, porque do jeito que está a gente não pode continuar.

Folha – Você disse que rodou muito por Cabo Frio, que conheceu diversos cantos da cidade, o que você percebeu?

Miguel – A política me permitiu conhecer toda Cabo Frio. Eu consigo notar que a dificuldade é imensa. As pessoas estão sem ter o que fazer, as oportunidades não existem mais nas comunidades. Você não tem projetos sociais, as escolas estão na dificuldade que a gente sabe, não tem infraestrutura na saúde. Não tem emprego, não tem o que fazer, a pessoa fica dentro de casa. E existe um hiato realmente entre o centro e a periferia. A gente precisa unir um pouco mais isso. Eu acho que as pessoas que vivem nessa área central, precisam conhecer a periferia e participar um pouco mais das comunidades. Eu acho que a gente tem que voltar a ser como a Cabo Frio de antigamente, a cidade como um todo, o que não existe hoje.

Folha – E como fazer isso?

Miguel – Eu acho que é através da busca do desenvolvimento dos projetos sociais. Eu acho que quando você leva projetos sociais para as comunidades e leva pessoas daqui para atuar lá dentro e pessoas de lá para virem atuar aqui, fica muito mais fácil. Projetos sociais ligados à cultura e esporte, há necessidade disso. E eu acho que o meio empresarial tem que participar desse processo também. Não é só a esfera pública. Os projetos sociais são a principal arma para a gente chegar nas comunidades e discutir essa participação para buscar o começo dessa união. Eu quero levar o gabinete para fora da Câmara Municipal e se eu não conseguir levar a estrutura do gabinete, eu consigo levar a estrutura como pessoa. Eu posso estar presente, me reunir com as lideranças, conversar sobre as demandas, ver as necessidades da população e levar isso para Câmara.

Folha – Quais são seus planos políticos?

Miguel – isso é muito lá na frente, a carreira política precisar ser consolidada no primeiro mandato para gente mostrar que é possível botar um nome no futuro. Se a gente não consolidar nossa base com muito trabalho no primeiro mandato, de nada adianta.

Folha – Qual o recado para a população?

Miguel – Estamos abertos para a política participativa. A gente quer defender a cidade como um todo e acho que isso só funciona com o mandado participativo. E quero agradecer a todos que participaram do projeto e todos os votos que recebi.