Assine Já
quarta, 25 de novembro de 2020
Região dos Lagos
26ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11693 Óbitos: 534
Confirmados Óbitos
Araruama 2347 117
Armação dos Búzios 1025 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1069 40
São Pedro da Aldeia 1801 75
Saquarema 1462 89
Últimas notícias sobre a COVID-19
Política

‘Meu tribunal é minha consciência’

Luis Geraldo (PPS) afirma não se preocupar com críticas aos seus posicionamentos

23 julho 2015 - 10h01Por Rodrigo Branco

Eleito em 2012 para o tercei­ro mandato consecutivo, era de se esperar que o vereador Luis Geraldo Simas (PPS) legislasse em território hostil, afinal foi lí­der do Governo nas duas gestões de Marquinho Mendes (PMDB), principal adversário do atual prefeito Alair Corrêa (PP). Não é o que ocorre. O dentista de 58 anos, presidente da Casa entre 2007 e 2008, possui bom trân­sito em todas as correntes polí­ticas. Na segunda entrevista da série ‘Na Tribuna’, o parlamen­tar revela não ter traquejo para o mundo político e rechaça as críticas de quem esperava opo­sição ferrenha, por ser irmão de Hélcio Azevedo, homem-forte da administração Marquinho.

Folha dos Lagos – Qual sua avaliação da atual legislatura?

Luis Geraldo – Eu estou aqui há três mandatos. Fui Líder do Governo por duas vezes, presi­dente da Casa e a gente sempre tem uma avaliação diferente de cada Câmara. Costumo ouvir as pessoas dizendo que a pior Câ­mara é sempre a próxima, mas tenho minhas divergências em cima disso. Às vezes aqui não há só intelectuais e pessoas de cul­tura elevada, mas tenho certeza de que todos têm uma sabedoria muito grande, porque saber e sa­bedoria são coisas diferentes. É uma Câmara que trabalha muito, mas não trabalhamos sozinhos.

Folha – A que se refere?

Luis Geraldo – Às vezes, somos muito questionados em cima de situações que aconte­cem ou não acontecem na cidade e a Câmara não tem autonomia ou o dever de realizar. A gente traz as demandas e as transforma em indicações, requerimentos e projetos de lei, como permitem o Regimento e a Lei Orgânica, e os envia ao Executivo, mas de muitos deles a gente não tem nem resposta. É essa situação que a gente precisa definir por­que a legislatura caminhe de acordo com as matérias aprova­das aqui; sejam elas sancionadas ou vetadas. Precisamos que essas respostas sejam dadas.

Folha – Você disse que não é vereador de apresentar muitos projetos? Por quê?

Luis Geraldo – Convivi com vereadores com 30 anos de Câ­mara e as leis que funcionam na cidade dá para contar nos dedos de uma das mãos. Sempre duas são citadas: da fila do banco, do Gustavo Beranger e a do empa­cotamento, do Acyr Rocha, que todos sabem que não são cum­pridas. Ninguém fala de outro projeto porque não é realizado. Isso faz com que o mandato do vereador pareça inócuo. No meu caso, vou sempre à tribuna, não fico omisso em relação a nada, porque é mais fácil ser atendido pelo Governo, e falo de todos, quando algo é pedido na tribu­na e o povo está ouvindo, do que por uma indicação pura e sim­ples que às vezes nem é lida.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta (23)