Assine Já
quinta, 09 de julho de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
TEMPO REAL Suspeitos: 301 Confirmados: 3282 Óbitos: 191
Suspeitos: 301 Confirmados: 3282 Óbitos: 191
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 270 654 41
Armação dos Búzios X 266 7
Arraial do Cabo 9 83 11
Cabo Frio X 1016 62
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 2 517 19
Saquarema 7 528 31
Últimas notícias sobre a COVID-19
Política

‘Meu tribunal é minha consciência’

Luis Geraldo (PPS) afirma não se preocupar com críticas aos seus posicionamentos

23 julho 2015 - 10h01Por Rodrigo Branco

Eleito em 2012 para o tercei­ro mandato consecutivo, era de se esperar que o vereador Luis Geraldo Simas (PPS) legislasse em território hostil, afinal foi lí­der do Governo nas duas gestões de Marquinho Mendes (PMDB), principal adversário do atual prefeito Alair Corrêa (PP). Não é o que ocorre. O dentista de 58 anos, presidente da Casa entre 2007 e 2008, possui bom trân­sito em todas as correntes polí­ticas. Na segunda entrevista da série ‘Na Tribuna’, o parlamen­tar revela não ter traquejo para o mundo político e rechaça as críticas de quem esperava opo­sição ferrenha, por ser irmão de Hélcio Azevedo, homem-forte da administração Marquinho.

Folha dos Lagos – Qual sua avaliação da atual legislatura?

Luis Geraldo – Eu estou aqui há três mandatos. Fui Líder do Governo por duas vezes, presi­dente da Casa e a gente sempre tem uma avaliação diferente de cada Câmara. Costumo ouvir as pessoas dizendo que a pior Câ­mara é sempre a próxima, mas tenho minhas divergências em cima disso. Às vezes aqui não há só intelectuais e pessoas de cul­tura elevada, mas tenho certeza de que todos têm uma sabedoria muito grande, porque saber e sa­bedoria são coisas diferentes. É uma Câmara que trabalha muito, mas não trabalhamos sozinhos.

Folha – A que se refere?

Luis Geraldo – Às vezes, somos muito questionados em cima de situações que aconte­cem ou não acontecem na cidade e a Câmara não tem autonomia ou o dever de realizar. A gente traz as demandas e as transforma em indicações, requerimentos e projetos de lei, como permitem o Regimento e a Lei Orgânica, e os envia ao Executivo, mas de muitos deles a gente não tem nem resposta. É essa situação que a gente precisa definir por­que a legislatura caminhe de acordo com as matérias aprova­das aqui; sejam elas sancionadas ou vetadas. Precisamos que essas respostas sejam dadas.

Folha – Você disse que não é vereador de apresentar muitos projetos? Por quê?

Luis Geraldo – Convivi com vereadores com 30 anos de Câ­mara e as leis que funcionam na cidade dá para contar nos dedos de uma das mãos. Sempre duas são citadas: da fila do banco, do Gustavo Beranger e a do empa­cotamento, do Acyr Rocha, que todos sabem que não são cum­pridas. Ninguém fala de outro projeto porque não é realizado. Isso faz com que o mandato do vereador pareça inócuo. No meu caso, vou sempre à tribuna, não fico omisso em relação a nada, porque é mais fácil ser atendido pelo Governo, e falo de todos, quando algo é pedido na tribu­na e o povo está ouvindo, do que por uma indicação pura e sim­ples que às vezes nem é lida.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta (23)