Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Marquinho

Marquinho vai a Brasília atrás de empréstimo

Prefeito tentará R$ 50 milhões junto à Caixa para quitar atrasados e pagar o 13º

08 agosto 2017 - 08h22Por Rodrigo Branco I foto: Arquivo Folha
Marquinho vai a Brasília atrás de empréstimo

 O prefeito de Cabo Frio, Marquinho Mendes (PMDB), vai encontrar-se hoje em Brasí­lia com o presidente da Caixa Econômica Federal, Gilberto Occhi, para tentar viabilizar um empréstimo bancário de R$ 50 milhões. Segundo Marquinho, o objetivo é saldar as pendências com o funcionalismo munici­pal e garantir o pagamento das folhas futuras, inclusive o do 13º salário. Ele condicionou o depósito da gratificação natali­na ao sucesso da operação.

– Uma das minhas preocu­pações é com a queda na arre­cadação. Vou a vários lugares, mas a prioridade é tentar con­seguir esse empréstimo. Com o dinheiro que havíamos separa­do, tivemos que pagar o abacaxi deixado pelo Alair. Mas, repito, vamos tentar, não sei se vamos conseguir – afirmou o prefeito.

Marquinho também comen­tou que ainda existem pendên­cias para que o município fique com o ‘nome limpo’. Questiona­do se não precisaria de uma au­torização da Câmara Municipal para obter o crédito, o prefeito foi lacônico.

– Primeiro, tenho que tentar saber se existe a viabilidade de conseguir o empréstimo. Não posso pedir autorização, se não houver possibilidade de contrai-lo. Vou usar minha prerrogativa de ex-deputado federal e de co­nhecer os corredores de Brasília para ver se consigo – disse Mar­quinho.

Curiosamente, o prefeito, quando ainda era deputado, se opôs à tentativa do ex-prefeito Alair Corrêa de, em 2016, con­seguir um empréstimo, só que de R$ 200 milhões. À época, a Justiça impediu a operação. Quando questionado em outras oportunidades sobre o assunto, Marquinho disse tratar-se de um ‘caso diferente’, uma vez que o dinheiro seria ‘apenas para pa­gar salários’ e ‘não no final do mandato’.

Quanto aos pagamentos de julho, Marquinho garantiu que serão pagos na quinta-feira, dia 10.

Insatisfação – Enquanto o ‘dinheiro salvador’ não chega, o funcionalismo municipal mostra insatisfação quanto aos atrasos salariais e à quebra de acordos referentes aos vencimentos atra­sados. O presidente do Sindicato dos Servidores da Saúde (Sind­Saúde), Gelcimar Almeida, es­teve ontem com o prefeito e os secretários de Administração; Deodoro Azevedo; e de Fazen­da, Clésio Guimarães. Ele ouviu do governo que não havia re­cursos suficientes para recebe­rem no quinto dia do mês, que foi ontem. Tampouco os 10% referentes aos atrasados (13º de 2015 e de 2016 e dezembro de 2016), conforme acordo firmado em junho. O sindicalista não es­condeu o desapontamento.

– A prefeitura mais uma vez descumpre um acordo assumi­do. Vou sentar com o Sindicaf (Sindicatos dos Funcionários Municipais) para ver o caminho que vamos traçar em relação a isso – disse Mazinho, como é conhecido.

Entre os aposentados, a an­gústia não é menor. Embora estejam com os benefícios des­te ano em dia, ainda aguardam uma solução sobre os atrasados. O 13º do ano passado ainda está em aberto.

– Estivemos com o prefeito no último dia 24 e ele nos disse que não tinha dinheiro para nos pagar. Estamos ‘satisfeitas’, en­tre aspas, porque pagam dentro do próprio mês, mas o que ficou para trás, ele não cumpriu. O mais triste é que falaram várias veses que pagariam com o FPM. Entrou e não pagaram –lamenta a presidente da Associação dos Aposentados e Pensionistas do Ibascaf, Neide Estellita.

Por outro lado, a diretora do Sindicato dos Profissionais da Educação (Sepe), Denise Tei­xeira, confirmou que os funcio­nários da rede de ensino recebe­ram no último sábado, ainda que ‘com alguns erros’. Contudo, a sindicalista argumenta que a ca­tegoria ainda espera pelo paga­mento do auxílio-doença e pela diferença da equiparação sala­rial entre os professores contra­tados até 15 de julho e os con­cursados.

– Marquinho disse numa reu­nião com a gente que pagariam ao término do contrato, dia 16. Não aceitamos, mas assim foi feito. Disseram que pagariam os outros 50% em folha suple­mentar, mas isso ainda não foi solucionado – comentou a sin­dicalista.

Em nota, a prefeitura confirmou que o pagamento ao funcionalismo ficará mesmo para o dia 10. Segundo a administração municipal, o adiamento "se faz necessário em virtude da necessidade de continuar pagando salários deixados em atraso pelo governo anterior, o que vem sufocando as contas do município em um período de diminuição na arrecadação".

Veja abaixo, na íntegra, o posicionamento do governo.

A Prefeitura informa que o pagamento do mês de julho dos servidores está previsto para ser finalizado até o dia 10 de agosto, de acordo com a programação de entrada de recursos no caixa municipal. O adiamento se faz necessário em virtude da necessidade de continuar pagando salários deixados em atraso pelo governo anterior, o que vem sufocando as contas do município em um período de diminuição na arrecadação. A Prefeitura reitera que todas as reservas financeiras disponíveis desde o início do ano foram utilizadas para amortizar a dívida deixada, e que vem trabalhando com muita determinação para regularizar os pagamentos do ano passado e pagar, no menor prazo possível, os proventos atuais.

Desde o início do atual governo, todos os recursos disponíveis no caixa municipal estão sendo utilizados para pagamento dos servidores e manutenção dos serviços essenciais. Prova disso é que, na virada do ano, hospitais estavam fechados, os alunos da rede municipal não haviam concluído o ano letivo e a cidade estava tomada de lixo. Com muito esforço, todos esses problemas foram solucionados, e mesmo com dificuldades financeiras, a cidade saiu do caos. O respeito aos servidores públicos fica evidente com a utilização da maior parte dos recursos arrecadados no pagamento dos salários atuais e dos salários do ano passado. No entanto, devido à grave situação deixada, os esforços realizados ainda não foram suficientes para resolver todos os problemas do passado.

O compromisso do governo municipal é seguir trabalhando de forma incansável até que esta página seja totalmente virada em nossa cidade.