Assine Já
segunda, 30 de novembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12084 Óbitos: 539
Confirmados Óbitos
Araruama 2426 118
Armação dos Búzios 1132 16
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1129 40
São Pedro da Aldeia 1874 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
Marquinho

Marquinho quer 'limpar nome' do município com União em 15 dias

Com cadastro positivo, prefeito de Cabo Frio espera receber verbas federais

24 junho 2017 - 12h35Por Redação I Foto: Arquivo Folha
Marquinho quer 'limpar nome' do município com União em 15 dias

Com elevada dívida deixada pelo governo passado, o governo do Estado em grave crise e os repasses federais retidos pela inadimplência da prefeitura, o prefeito cabofriense Marquinho Mendes (PMDB) disse, ontem, que o governo está se “virando nos 30” para equilibrar receita e despesas, desafio, segundo ele, que espera vencer por completo a partir dos primeiros meses do ano que vem.

Mas, pelo menos, ele anuncia para os próximos 15 dias o objetivo que o governo dele vem focando desde a posse, em janeiro: tornar a prefeitura adimplente junto ao governo federal. Atualmente, segundo disse o prefeito, estão sendo consolidados os últimos parcelamentos das dívidas herdadas da gestão Alair Corrêa, deixando a prefeitura, definitivamente, em condições de receber os recursos, especialmente aqueles oriundos de emendas ministeriais e do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Mas Marquinho Mendes diz ser impossível estimar o volume de verba que poderá chegar até o fim do ano, embora frise bem que, mesmo sem este valor, espera pelo reforço de caixa para equilibrar de vez a saúde financeira da prefeitura. “A situação é delicada, requer muito trabalho, e, sobretudo, paciência para que tudo aconteça na hora certa”, comentou o prefeito Marquinho Mendes.

Para se ter ideia da realidade financeira da prefeitura cabofriense, a previsão orçamentária deste ano é de R$ 780 milhões, mas Marquinho Mendes admite que a receita ficará em torno de R$650 milhões, ou seja, R$130 milhões a menos. Diante disso, a previsão do orçamento para o ano que vem deverá ser igual à fixada para este ano.

Se existe alguma esperança de receber algum repasse federal, o mesmo não acontece com relação ao governo do Estado. Marquinho Mendes considera muito grave a crise enfrentada pelo governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e o prefeito admite, aliás, que, agora, “a situação fica muito pior” diante das declarações do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Jorge Picciani (PMDB) de que a solução seria o “impeachment do governador” ou a intervenção federal”.

– Claro, isso cria um estado em ingovernabilidade – avaliou o prefeito cabofriense.

Para assegurar o estancamento da crise municipal, Marquinho Mendes defende o “rigor” no dever de casa, afirmando que todas as medidas estão sendo tomadas no sentido do equilíbrio das finanças.

– A cobrança da dívida ativa está sendo intensificada e estamos, sobretudo, visando as grandes dívidas – comentou.

O prefeito cabofriense também espera reforçar o caixa diante da possibilidade de aumentar o Imposto Sobre Serviço (ISS) pago pelas plataformas instaladas no litoral do município.

Mais ainda:

– Vamos ampliar a campanha no sentido de senbilizar a população a pagar o IPTU em dia – revelou ele.

Sobre a representação de Cabo Frio na Assembleia Legislativa (Alerj), Marquinho disse que, até hoje, “eles (os deputados Janio Mendes (PDT) e Silas Bento (PSDB) não trouxeram sequer um copo d’água para o município”. “Mas não é culpa deles, porque o Estado, de fato, está em crise”, amenizou.

Frente – Marquinho Mendes anunciou que irá participar da programada reunião do dia três próximo, em Brasília, na casa de Rodrigo Maia, presidente da Câmara Federal. “Afinal, ele é presidente da Câmara e vice-presidente da República”, concluiu Marquinho Mendes.