Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
entrevista

Marquinho Mendes: ‘Quero 15 secretarias’

Prefeito eleito diz que nomes ventilados para primeiro escalão são ‘especulação’

25 outubro 2016 - 19h40Por Rodrigo Branco I Foto: Arquivo Folha
Marquinho Mendes: ‘Quero 15 secretarias’

Marquinho: "Não adianta aumentar a arrecadação e não reduzir o custo fixo"

Dividindo o tempo entre a atividade parlamentar como deputado, em Brasília, e as reuniões para a definição da futura equipe de governo, o prefeito eleito de Cabo Frio, Marquinho Mendes (PMDB) deu na segunda-feira o pontapé inicial para a transição, ao formalizar na Prefeitura um pedido de acesso aos dados da gestão municipal.

Ele espera por dificuldades na transição por conta da animosidade com o atual prefeito, Alair Corrêa (PP), mas, mesmo assim, Marquinho se reúne para fazer projeções com a futura equipe econômica, a ser encabeçada pelo já anunciado secretário  de Fazenda, Clésio Guimarães. Sobre os demais membros do primeiro escalão, ele desconversa e diz que os nomes ventilados na cidade não passam de especulação.

– Mais do que de nomes, estamos falando de ações – afirma.

Folha dos Lagos – Você tem comentado sobre novidades para os próximos dias. O que tem feito?

Marquinho Mendes – Ontem (anteontem), oficializamos a solicitação de transição junto ao atual prefeito. Protocolamos o pedido para que deem liberdade para nossa equipe começar a examinar os dados. Esperamos resposta. Também já comecei a trabalhar com a futura secretária de Educação, Laura Barreto, para constituir a nossa equipe. Na semana que vem, vamos sentar com o Sepe e os conselhos de Educação para avaliar o que será feito do ano letivo de 2016. Também vou visitar as escolas, para avaliar as condições delas, uma vez que deixei todas com excelente estrutura e agora estão todas deterioradas. Na Saúde, estou me reunindo com um grupo de médicos para começar a traçar o planejamento, assim como na Ordem Pública. Falo de Postura, da limpeza, dos serviços essenciais e também da alta temporada.

Folha – Você falou que fará a transição com os ‘dados possíveis’. O que quer dizer?

Marquinho – Particularmente, não creio que (Alair) vá possibilitar a transição. Dentro do possível é tentar descobrir a situação através de amigos, de dados que possam nortear o nosso trabalho, uma vez que o Portal da Transparência está escuro.

Folha – E com relação aos secretários? Os nomes que estão sendo ventilados têm algum fundamento?

Marquinho – É tudo especulação. Vou anunciar isso nos próximos dias. Não defini nenhum nome, apenas os que já anunciei: Clésio Guimarães Faria, na Fazenda; Laura Barreto, na Educação e Deodoro Azevedo, na Administração. E Carlos Magno de Carvalho, que vai para a Procuradoria-Geral do município. Mais do que de nomes, no momento, estamos falando de ações.

Folha – A UPA vai ser mesmo reaberta? Quando?

Marquinho – Ontem (anteontem) mesmo conversei com o secretário estadual de Saúde (Luiz Antônio Teixeira Junior). Semana que vem, ele estará em Cabo Frio para visitar a UPA fechada e levantar os dados necessários para que a gente possa dar uma data precisa. Quero reabrir a UPA, mas  ainda não posso dar à população uma data com certeza para não gerar expectativa.

Folha – O formato adotado em São Pedro, onde a UPA tornou-se apenas pediátrica, é um modelo que pode ser copiado?

Marquinho – Não creio, porque o Estado está falido. A UPA de São Pedro é 100% paga pelo governo do Estado. Não vai ser o caso de Cabo Frio. Quero parceria para reabri-la.

Folha – Dependendo da situação financeira que encontrar, descarta pedir um empréstimo para resolver a situação?

Marquinho – Infelizmente, só será possível saber o tamanho do buraco quando assumirmos. Vou fazer um ofício para que o Ministério Público participe da auditoria que vamos fazer. Com relação ao empréstimo, tudo o que disser é apenas especulação. Não posso falar sobre o que está obscuro. Prefiro avaliar para então tomar uma decisão.

Folha – Com relação ao réveillon, vai fazer algo?

Marquinho – O atual prefeito não vai fazer. Tentaremos entrar em contato com empresas que possam arcar com os custos e receber o retorno de mídia. Talvez possamos fazer com uma estrutura mínima, mas só se for apenas com dinheiro privado. Prefeitura não entra com um centavo.

Folha – No que pensa para aumentar a arrecadação?

Marquinho – Trabalhamos em relação a algumas medidas não apenas para aumentar a arrecadação mas para reduzir o custo fixo. Não adianta aumentar a arrecadação se não reduzir o custo fixo. Precisamos dar credibilidade ao governo para incentivar que a população pague os seus impostos. Também vamos fazer uma campanha para que as pessoas passem a emplacar os carros na cidade. Não vamos aumentar impostos, mas incentivar as pessoas a pagá-los. E vamos fiscalizar, o que hoje não existe.

Folha – Pretende enxugar a máquina administrativa?

Marquinho – A gente vai reduzir, quero trabalhar de forma enxuta, reduzir secretarias e cargos comissionados. Já que eu fui o número 15 (na eleição), gostaria de trabalhar com 15 secretarias, mas pode ser menos. Nesse número já vão estar incluídas a Procuradoria, a Controladoria e a chefia de gabinete.

Folha – Na Câmara dos Deputados, você vai votar a favor da aprovação da PEC 241? O congelamento dos investimentos na Saúde e na Educação não prejudicará os municípios?

Marquinho – Meu partido já se colocou favorável. Sou a favor do posicionamento do partido. Sou deputado do PMDB e sigo a orientação partidária. Não acho que há congelamento e sim uma flexibilização nos investimentos. O país tem que tomar medidas para torná-lo viável.  A questão do teto nos gastos públicos é importante para moralizar o país e fazê-lo voltar a crescer. (Nota da Redação: Apesar do posicionamento favorável à aprovação da PEC, Marquinho não participou da votação na noite desta terça-feira (25). A proposta foi aprovada em segundo turno na Câmara com 359 votos a favor, 116 contra e duas abstenções).