Assine Já
quarta, 21 de outubro de 2020
Região dos Lagos
26ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9339 Óbitos: 478
Confirmados Óbitos
Araruama 1907 110
Armação dos Búzios 574 10
Arraial do Cabo 283 15
Cabo Frio 3072 166
Iguaba Grande 819 38
São Pedro da Aldeia 1434 66
Saquarema 1250 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
Deputado

Marquinho Mendes (PMDB) não cede às manobras e diz que fica

Deputado diz que manobras para engordar bancada de Picciani não o prejudicam

15 dezembro 2015 - 10h17

Nenhuma manobra política, no sentido de garantir a volta de Leonardo Picciani à liderança do PMDB na Câmara dos De­putados, chegará ao sacrifício do afastamento de Marquinho Mendes. Isso é o que garante o próproio parlamentar. Nem mesmo se houver o retorno de Pedro Paulo Carvalho, atual secretário municipal de Gover­no do Rio, ou de Marco Antô­nio Cabral, secretário estadual de Esporte e Lazer.

Marquinho Mendes disse que, na condição de primeiro suplente, só ficaria sem o man­dato, se todos os deputados titulares, ora afastados, reto­massem os cargos. Marquinho, sem demonstrar qualquer pre­ocupação com o assunto, diz que o momento político ‘está muito conturbado’ e que os fatos têm sido mal interpreta­dos, ‘ou interpretados de acor­do com os desejos pessoais ou partidários’, sublinhou ele.

– Há um impasse muito ás­pero entre o presidente estadu­al do PMDB, Jorge Picciani, e o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha – assegurou Marquinho Mendes, que é pela volta de Leonardo

 Picciani à liderança do partido na Câmara Federal, ora ocu­pada pelo mineiro Leonardo Quintão, ligado à Cunha.

– O mandato não pode ser interrompido, até porque em fevereiro próximo já teremos novas eleições para escolher o novo líder do partido na Câma­ra – comentou o peemedebista.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta terça-feira (15)