Assine Já
quarta, 20 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
Disputa

Marquinho Mendes (PMDB) condena briga entre parlamentares

Disputa por composição de comissão tem conflito e impeachment é suspenso

10 dezembro 2015 - 10h21

O deputado federal Marquinho Mendes (PMDB-RJ) condenou, na tarde de ontem, a briga entre os parlamentares na Câmara dos Deputados, no dia anterior, du­rante votação sobre a Comissão do Impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Entre ca­beçadas, urnas quebradas e mor­didas, Marquinho classificou a atitude como “arbitrária”. O STF suspendeu o processo de impea­chment até a próxima quarta.

– Estou chocado e muito de­cepcionado. Ninguém ali pensa em salvar o país, só em salvar o Eduardo ou a Dilma. Tem que acabar com a crise e o Brasil não pode ficar paralisado por conta de interesses pessoais de um ou de outro. A sessão foi feita em voto secreto, de forma totalmen­te arbitrária. Um dia triste para o país – lamentou ele, em entrevis­ta à Folha, ontem à tarde.

Na votação, os deputados de­cidiram (272 votos a 199) que a maioria dos integrantes que analisarão o pedido de afasta­mento de Dilma será composta por parlamentares de oposição e de aliados dissidentes. No total, esta chapa ficará com 39 dos 65 lugares disponíveis.

No entanto, horas depois da confusão que decidiu qual cha­pa seria protocolada, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin suspendeu o andamento do impeachment na Câmara. Assim, todo o processo, inclusive a instalação da comis­são especial, fica paralisado até a próxima quarta, dia 16, quando o Supremo irá analisar ações movi­das por políticos governistas que questionam o início da tramita­ção do impeachment na Câmara dos Deputados. O processo foi suspenso devido a deferimento de parte de um pedido feito ao tri­bunal antes da votação, pelo PC do B, sigla da base governista.