Assine Já
segunda, 25 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
andinho

Justiça Eleitoral cassa Andinho mais uma vez

Advogados do prefeito de Arraial ingressam com recurso

24 julho 2014 - 21h05Por Sérgio Meirelles
Justiça Eleitoral cassa Andinho mais uma vez

A Justiça Eleitoral cassou novamente o mandato do prefeito de Arraial do Cabo, Wanderson Cardoso de Brito (PMDB), o Andinho. A sentença foi proferida na última terça-feira (23/07) pela juíza Juliana Gonçalves Figueiredo Pontes, da 146ª Zona Eleitoral. O mandatário é acusado de descumprir a lei de publicidade institucional durante a campanha para prefeito em 2012. Os advogados de Andinho ingressaram ontem com um recurso no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para que o prefeito responda a essa nova acusação no cargo.

LEIA ATUALIZAÇÃO: Andinho consegue liminar na Justiça e continua no cargo

A nova ação contra o prefeito foi impetrada por Henrique Sérgio Melmann e Cláudia Figueira, da Coligação PDT e PP. Segundo o advogado Fabrício Abílio, Andinho teria descumprido a lei ao gastar cerca de R$ 200 mil em publicidade institucional no ano 2012. O valor seria três vezes maior do que foi gasto nos anos três anteriores. De acordo com o advogado, a juíza Juliana Gonçalves acatou o pedido dos autores da ação.

O advogado Jorge dos Santos Júnior, mais conhecido como Kiko Jorge, que defende o prefeito, confirmou a sentença, mas garantiu que entrou com uma ação cautelar com intuito de garantir que o prefeito responda por essa nova acusação sem deixar o cargo. Até o fim da noite de ontem, o TRE não havia julgado o recurso de Andinho.

Essa é a segunda vez em menos de dois meses que a Justiça Eleitoral caça o mandato de Andinho. A primeira delas ocorreu no início de junho. O prefeito foi condenado à perda do mandato e a ficar inelegível por oito anos por abuso de poder político. Andinho recorreu no TRE e se manteve no cargo graças a uma medida cautelar concedida pelo tribunal.