Assine Já
sexta, 10 de julho de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 327 Confirmados: 3311 Óbitos: 194
Suspeitos: 327 Confirmados: 3311 Óbitos: 194
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 266 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1016 62
Iguaba Grande 13 218 20
São Pedro da Aldeia 1 528 19
Saquarema 23 541 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
andinho

Justiça Eleitoral cassa Andinho mais uma vez

Advogados do prefeito de Arraial ingressam com recurso

24 julho 2014 - 21h05Por Sérgio Meirelles
Justiça Eleitoral cassa Andinho mais uma vez

A Justiça Eleitoral cassou novamente o mandato do prefeito de Arraial do Cabo, Wanderson Cardoso de Brito (PMDB), o Andinho. A sentença foi proferida na última terça-feira (23/07) pela juíza Juliana Gonçalves Figueiredo Pontes, da 146ª Zona Eleitoral. O mandatário é acusado de descumprir a lei de publicidade institucional durante a campanha para prefeito em 2012. Os advogados de Andinho ingressaram ontem com um recurso no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para que o prefeito responda a essa nova acusação no cargo.

LEIA ATUALIZAÇÃO: Andinho consegue liminar na Justiça e continua no cargo

A nova ação contra o prefeito foi impetrada por Henrique Sérgio Melmann e Cláudia Figueira, da Coligação PDT e PP. Segundo o advogado Fabrício Abílio, Andinho teria descumprido a lei ao gastar cerca de R$ 200 mil em publicidade institucional no ano 2012. O valor seria três vezes maior do que foi gasto nos anos três anteriores. De acordo com o advogado, a juíza Juliana Gonçalves acatou o pedido dos autores da ação.

O advogado Jorge dos Santos Júnior, mais conhecido como Kiko Jorge, que defende o prefeito, confirmou a sentença, mas garantiu que entrou com uma ação cautelar com intuito de garantir que o prefeito responda por essa nova acusação sem deixar o cargo. Até o fim da noite de ontem, o TRE não havia julgado o recurso de Andinho.

Essa é a segunda vez em menos de dois meses que a Justiça Eleitoral caça o mandato de Andinho. A primeira delas ocorreu no início de junho. O prefeito foi condenado à perda do mandato e a ficar inelegível por oito anos por abuso de poder político. Andinho recorreu no TRE e se manteve no cargo graças a uma medida cautelar concedida pelo tribunal.