Assine Já
quarta, 23 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43602 Óbitos: 1679
Confirmados Óbitos
Araruama 10812 339
Armação dos Búzios 5233 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11637 622
Iguaba Grande 4474 107
São Pedro da Aldeia 5916 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Janio Mendes (PDT) vai ao MP contra Córrego Rico e Prefeitura de Cabo Frio

Deputado engrossa críticas e afirma que prefeito quer criar cortina de fumaça

22 outubro 2015 - 10h11

O deputado Janio Mendes (PDT) entrou ontem com repre­sentação no Ministério Público do Estado para que seja aberta investigação sobre os contratos da prefeitura de Cabo Frio com a empresa Córrego Rico. Janio pede que o MP requisite a pres­tação de contas detalhada sobre cada contratação e prestação de serviços, com a indicação do número de bens locados e locais de utilização. Anteontem, após visita surpresa do prefeito Alair Corrêa (PP), a Mesa Diretora da Câmara Municipal barrou reque­rimento que cobrava explicações sobre o caso, que veio à tona após aditivo de R$ 27 milhões ser divulgado no jornal que faz as publicações oficiais do muni­cípio – segundo o governo, R$ 9 milhões foram pagos este ano.

No documento, Janio afirma que as declarações do prefeito na Câmara foram insuficientes. “O prefeito se restringiu a pala­vras, não apresentando qualquer documento que comprovasse a dita regularidade do contrato, não sabendo informar ao certo o número de veículos alugados e sua destinação”, escreveu. Em entrevista à Folha, ele disse que o objetivo do discurso do prefei­to foi criar cortina de fumaça.

– Ficou claro que o prefei­to tentou criar uma cortina de fumaça para não ter o requeri­mento aprovado e passar para a população que ele tirou todas as dúvidas sobre a Córrego Rico.

Janio engrossou as críticas ao atribuir a decisão da Câmara ao que se refere como “um negócio em família” – o requerimento foi tirado de pauta por Marcello Corrêa (PP), a pedido de Vini­cius Corrêa (PP), que se disse satisfeito com as explicações de Alair (eles são filho e sobrinho do prefeito, respectivamente).

– Vejo isso como uma interfe­rência direta no poder legislati­va. Fere autonomia, a indepên­dência do poder. O prefeito, sem ser convidado, ocupa a Câmara, pergunta se todas as dúvidas fo­ram respondidas e o filho conce­de a retirada [do requerimento]. Um negócio em família. A coisa não pode ser feita dessa maneira. Para ser resolvido em família, ele não precisava ir à Câmara. Poderia ter se reunido com o fi­lho e o sobrinho no Riala e pou­pado o povo desse teatro. Faltou respeito ao legislativo – atacou.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (22)