Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
20ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7914 Óbitos: 414
Confirmados Óbitos
Araruama 1580 102
Armação dos Búzios 474 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Janio. Alerj

Janio: ‘Discussão do pacote de Pezão é ponto a ponto’

Deputado vai se reunir hoje com correligionários para debater pacote de Pezão

11 novembro 2016 - 07h25Por Rodrigo Branco I Foto: Divulgação
Janio: ‘Discussão do pacote de Pezão é ponto a ponto’

 Com os olhares dos servido­res estaduais da Região dos La­gos sobre si, o deputado Janio Mendes (PDT) tem passado os últimos dias em inúmeras reuni­ões para discutir o polêmico pa­cote de medidas de austeridade baixado pelo governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) para tentar debelar a crise financeira no Estado do Rio.

Hoje, acontece novo encon­tro, desta vez com os membros do diretório municipal do parti­do, em Cabo Frio. No começo da semana, Janio e os outros seis membros da bancada pedetista – Luiz Martins, Bebeto, Martha Rocha, Thiago Pampolha, Za­queu Teixeira e Cidinha Campos – fecharam posição contrária ao ponto mais controverso do cha­mado ‘pacote de maldades do governo: o desconto de 30% nos salários dos servidores ativos, aposentados e pensionistas du­rante 16 meses.

Com a repercussão negativa, a mensagem, inclusive, já foi de­volvida pela Alerj ao governo. Contudo, os demais pontos, na opinião de Janio, serão debati­dos à exaustão.

– As demais matérias vão ser discutidas a partir do dia 16. Se­rão duas matérias por dia e acre­dito que a votação delas será no começo de dezembro. Pretende­mos apresentar emendas para to­das elas – comentou o parlamen­tar, que tem sido pressionado pelas redes sociais a votar contra o pacote.

Para a próxima quarta-feira, por exemplo, estão previstas as discussões sobre a redução do salário do governador e sobre a diminuição para 15 salários mí­nimos do limite para pagamento de obrigações de pequeno valor, hoje estipulado em 40 salários mínimos. Já no dia seguinte, es­tão previstos os debates sobre o aumento da alíquota previdenci­ária de 11% para 14% e a extin­ção da Fundação Ceperj.

Sem adiantar como será seu voto, Janio ressalta que o pacote é importante para sanear os co­fres públicos.

– As medidas são necessá­rias para diminuir as despesas. A situação exige medidas com responsabilidade. Mas com re­lação ao empréstimo compulsó­rio (30%), esse susto já passou – afirmou.

Para finalizar, Janio descartou que o partido vá entrar na Justi­ça contra as medidas, como fez o colega Luiz Paulo (PSDB)