Assine Já
segunda, 19 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9204 Óbitos: 470
Confirmados Óbitos
Araruama 1843 108
Armação dos Búzios 572 10
Arraial do Cabo 273 15
Cabo Frio 3049 166
Iguaba Grande 802 38
São Pedro da Aldeia 1427 63
Saquarema 1238 70
Últimas notícias sobre a COVID-19
impeachment

Impeachment será processo político, acreditam advogados

Profissionais da lei ouvidos pela Folha dizem que rito legislativo será longo

04 dezembro 2015 - 09h46
Impeachment será processo político, acreditam advogados

O que se anunciava, aconteceu na noite de anteontem em Brasília. Depois de rejeitar 18 pedidos de impeachment protocolados contra a presidente Dilma Rousseff (PT), o presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) acatou denúncia feita pelos juristas Miguel Reale Junior, Hélio Bicudo e Janaína Paschoal, agravando a crise política no governo.

Independentemente da polêmica sobre a atitude de Cunha, acossado por denúncias da Operação Lava Jato e no Conselho de Ética, para os juristas ouvidos pela Folha, o pedido acatado por Cunha está plenamente embasado do ponto de vista jurídico – a alegação é de crime de responsabilidade por causa das chamadas ‘pedaladas fiscais’. De todo modo, para eles, a batalha agora será mais no campo político do que propriamente nos tribunais.

– O processo de impeachment, ao contrário do que muitos pensam, é eminentemente político. Por isso, a decisão agora cabe tão somente ao Congresso Nacional, sem interferência do Judiciário. Apenas como em todo processo, administrativo e legislativo, ele tem que obedecer aos ritos regimentais. Apenas a quebra de um deles pode ensejar intervenção do Supremo Tribunal Federal – explica o advogado Carlos Magno de Carvalho.


Leia a matéria completa na edição desta sexta-feira da Folha dos Lagos.