Assine Já
segunda, 23 de novembro de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11377 Óbitos: 530
Confirmados Óbitos
Araruama 2262 116
Armação dos Búzios 1000 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3609 179
Iguaba Grande 1034 39
São Pedro da Aldeia 1693 75
Saquarema 1415 89
Últimas notícias sobre a COVID-19
bolsonaro

Homenagem a Ustra prejudica imagem de Bolsonaro nas ruas

Entrevistados consideram tributo ao torturador pior do que a cuspida de Jean 

23 abril 2016 - 10h09
Homenagem a Ustra prejudica imagem de Bolsonaro nas ruas

O Maracanã é a rua. De um lado da arquibancada, torcedores exibem camisas em verde e amarelo, com cartazes coloridos com o pedido políticos envolvidos em esquemas de corrupção na prisão. Do outro, militantes ostentam uniformes vermelhos, com verdadeiro horror aos crimes cometidos na época da Ditadura Militar.

O Fla-Flu político já é bem conhecido no Brasil e não se resume à discussão do afastamento da presidenta Dilma Rousseff (PT). Durante a votação do impeachment, dois episódios evidenciaram o aparecimento de outra dualidade: a homenagem de Bolsonaro (PSC) ao torturador militar Carlos Alberto Brilhante Ustra e a cuspida de Jean Wyllys (Psol) no próprio Bolsonaro provocaram um campeonato de discussões acaloradas nas redes sociais.

Um dos posts que acabou viralizando na internet foi o pedido de cartão vermelho para todos aqueles que curtem a página de Jair Bolsonaro. Também não faltaram contra-ataques com fotos do rival com o uniforme do guer- rilheiro Ernesto Che Guevara, símbolo da Revolução Cubana e acusado de assassinatos no Regime Castrista. No meio-campo dessa partida, alguns pedem pela substituição de ambos por su- plentes no Congresso Nacional. Os entrevistados pela Folha se mostraram solidários aos torturados pelo coronel Ustra e reprovaram o discurso de Jair Bolsonaro na tribuna, alguns, no entanto, tratraram o cuspe como motivo para cartão vermelho.

– Homenagem é pior, porque ninguém deveria eleger um candidato que faz uma coisa dessas. Dar seu voto em memória de um torturador é ruim – comenta a autônoma Simone Santos, 46.

Faltaram palavras ao ajudante José Evanildo, 23, para criticar a fala do ex-militar.

– A homenagem é muito pior. Não sei nem o que falar para uma homenagem tão ruim – diz.

O gerente Júlio Reis, 33, não veste camisa de nenhum dos times. Embora considere a homenagem pior, também vê a cuspida como quebra de decoro.

– As duas são atitudes que não devem ser tomadas. A cuspida é um desrespeito que não devemos fazer com ninguém, muito menos com um companheiro político. Mas vejo a homenagem como pior por causa daqueles que passaram por isso. Os torturados não mereciam ouvir – argumenta.

Se depender do empresário Jorge Maurício Rodrigues, 65, o ex-militar nunca mais entra em campo para representá-lo.

– Ninguém tem o direito de fazer tamanha maldade com o ser humano. A homenagem foi pior. Ele tinha que perder o mandato – cobra.

Já a professora Lorena Mirandela, 23, ainda lembra que a homenagem de nada tinha a ver com a votação do impeachment.

– É uma incitação grave de ódio e um pedido indireto de retorno da repreensão militar. Sem contar que não convinha citar alguém que participou da tortura contra a presidente, uma vez que não é uma questão pessoal. O Jean vem recebendo ofensas do Jair desde sua posse e que, mesmo não concordando com tal atitude, tem sua justificativa – explicou ela.

O pedreiro Geilson Laurindo, 34, por outro lado, não tolera a cuspida. 

– Cuspida é bem pior. É uma falta de respeito sem tamanho ao deputado. Mas acredito que ambos deveriam sair da Câmara.

Enquanto a bióloga Patrícia Dutra, 44, pensa que homenagem a qualquer pessoa é um um direito.

– Os dois faltaram com o respeito. Mas, na minha opinião, a cuspida é pior. O ator de cuspir é falta de decoro, que, sobretudo naquele momento, deveria ser respeitado. A homenagem é algo pessoal. Ele tem o direito de homenagear a quem ele quiser – conclui.

O professor Anderson Mendes, 38, não escolheu time e desaprova os atos em plenário.

– Ambas foram graves. Foi total falta de respeito tanto pessoal quanto pelo cargo que ocupam. Ambos precisam aprender o significado do cargo que ocupam - finaliza.