Assine Já
terça, 21 de setembro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 50892 Óbitos: 2066
Confirmados Óbitos
Araruama 12158 430
Armação dos Búzios 6211 64
Arraial do Cabo 1680 90
Cabo Frio 14098 828
Iguaba Grande 5364 134
São Pedro da Aldeia 6850 285
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Câmara

Governo propõe investigar contas de Marquinho

Câmara deve ser palco de batalha política nas próximas semanas

02 outubro 2015 - 10h10

RODRIGO BRANCO

As contestações em torno do aditivo de R$ 27 milhões pu­blicado pela Prefeitura em fa­vor da empresa Córrego Rico Transporte e Construção Ltda. devem transformar o plenário da Câmara em palco de mais uma batalha política entre governo e oposição nas próximas semanas.

Um requerimento pedindo explicações e detalhamento dos contratos entre o poder público municipal e a empresa, de alu­guel de máquinas e equipamen­tos, foi protocolado nessa quarta-feira (30) pelos vereadores Aquiles Barre­to (SD) e Celso Campista (PSB). Fora da pauta, nessa quinta (1), o reque­rimento foi objeto de cobrança de Aquiles, mesmo admitindo que a Mesa Diretora tem prazo regimental de cinco dias para analisar o pedido e colocá-lo em pauta, ou seja, na próxima terça.

Por sua vez, o presidente da Casa, Marcello Corrêa (PP), dis­se que o prazo será cumprido e que o Legislativo ‘não tem nada a esconder da população’.

– Estamos analisando o re­querimento e na próxima terça ele será colocado em pauta. O requerimento será analisado pe­los vereadores, colocado em vo­tação, aprovado ou não. A Casa vai seguir os trâmites democra­ticamente como sempre fizemos – disse Marcello Corrêa.

Independentemente das ques­tões regimentais, a base aliada se articula para contra-atacar a iniciativa dos parlamentares que propuseram o requerimento. Na tribuna, Vinicius Corrêa (PP) su­geriu que o documento inclua a investigação dos contratos dos oito anos da gestão Marquinho Mendes (2005-2012).

– Seria importante que a gen­te aprofundasse esse debate para termos parâmetros de compa­ração de valores. O governo anterior, diferente do que faz o atual e do que manda o Tribunal de Contas, abriu vários proces­sos de aluguel de equipamentos, máquinas e veículos. E fracio­namento, o Tribunal de Contas condena veementemente – argu­mentou Vinicius.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta sexta-feira (2)