Assine Já
segunda, 28 de setembro de 2020
Região dos Lagos
35ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8099 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 487 10
Arraial do Cabo 248 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 684 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
demissões

​Governo municipal vai fazer novas demissões

Secretário de Fazenda afirma que folha deve ser reduzida em até R$ 6 milhões

18 julho 2017 - 10h08Por Rodrigo Branco I Foto: Arquivo Folha
​Governo municipal vai fazer novas demissões

O recente desbloqueio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) representou um importante reforço no caixa da Prefeitura de Cabo Frio, mas não eliminou a necessidade de cortar despesas, inclusive com o funcionalismo. O secretário de Fazenda, Clésio Guimarães, afirmou ontem que a folha de pagamento, hoje em R$ 26 milhões mensais, terá que ser reduzida de R$ 4 milhões a R$ 6 milhões. De acordo com Clésio, o número de servidores que serão dispensados está sendo fechado, mas as áreas onde haverá maior impacto serão a Educação e a Saúde, consideradas ‘inchadas’.

– Onde há dois funcionários fazendo uma função, vai ficar um. Isso vai ocorrer prioritariamente na Saúde e na Educação. Infelizmente, não dá para continuar com a folha do jeito que está. A gente administra, mas milagre não podemos fazer – alega o secretário.

O primeiro semestre de gestão terminou, mas Clésio afirma que a situação do município continuará difícil, pelo menos, até o fim do ano. Apesar da entrada dos recursos do FPM, ele acredita que as contas serão fechadas às duras penas.

– Vai ser bem difícil, mas vai dar para vencer. Isso se não houver nenhuma surpresa ruim. Vamos trabalhar sem folga nenhuma – projeta Clésio.

A intenção é que a redução na folha salarial já tenha impacto no pagamento de agosto. Não é a primeira vez que o governo Marquinho fala da necessidade de cortar pessoal. Em abril, o prefeito afirmou que seria necessário enxugar 20% da folha, para manter a estabilidade financeira do município. Antes de assumir a prefeitura, o plano era reduzir os gastos com o funcionalismo de R$ 35 milhões para R$ 25 milhões. Mas a arrecadação menor que o esperado, sobretudo com IPTU, levou o governo a rever a meta e novamente ‘amolar a tesoura’.

BATE PAPO COM CLÉSIO GUIMARÃES, SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA DE CABO FRIO

Folha – Espera a correção dos royalties já este mês?
Clésio –
Se vier, vai ser muito bem-vindo. Mas não conto com isso não. A efetivação de um acordo desse demora um pouco.

Folha – É possível o município terminar o ano ‘no azul’?
Clésio –
Muito pelo contrário. Primeira prévia no orçamento deu déficit de 15%. No ano, o déficit orçamentário (diferença entre o que se arrecadou e o que pretendia arrecadar) seve ser de R$ 90 milhões. Isso se não houver alguma variável.

Folha – O que não saiu como esperado?
Clésio –
O IPTU arrecadado foi muito baixo. A Dívida Ativa também. Os repasses do Estado caíram R$ 2 milhões por mês. O ISS também foi aquém do esperado.

Folha – Qual a solução?
Clésio –
Não é para agora. Temos que semear para colher a médio à prazo. O geoprocessamento será um incremento para o IPTU. Estamos fazendo contato par que empresas se instalem aqui. Além disso, estamos emitindo protesto e executando a Dívida Ativa, que são medidas antipáticas, mas necessárias.