Assine Já
quarta, 21 de outubro de 2020
Região dos Lagos
26ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9339 Óbitos: 478
Confirmados Óbitos
Araruama 1907 110
Armação dos Búzios 574 10
Arraial do Cabo 283 15
Cabo Frio 3072 166
Iguaba Grande 819 38
São Pedro da Aldeia 1434 66
Saquarema 1250 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
Apae

Governistas querem saber sobre repasses milionários que não chegaram à Apae

Córrego Rico: novo requerimento na terça-feira (20)

16 outubro 2015 - 10h10Por Rodrigo Branco

Palco histórico de embates entre Governo e oposição, o plenário da Câmara Municipal de Cabo Frio teve um breve pe­ríodo de consenso no que diz respeito a polêmicas envolven­do a Prefeitura. O responsável pela ‘proeza’ foi o mistério en­volvendo os repasses do Poder Executivo para a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) que, somente entre feve­reiro e julho deste ano, totaliza­ram R$ 3,2 milhões, segundo o Portal da Transparência.

Estampada na capa da última quinta-feira (15) da Folha, a negativa da presi­dente da Associação, Kely Soa­res, que negou o recebimento da verba, causou perplexidade e ge­rou questionamentos de vários parlamentares tanto da oposição como da situação. Até mesmo o líder do governo na Casa, Taylor Jasmin (PRB), saiu da habitual postura de blindar a Prefeitura ao se comprometer a ajudar a es­clarecer o episódio.

– Essa é uma denúncia gra­ve e independentemente de ser líder do Governo ou não, se for erro ou não, qualquer um que seja culpado tem que ser punido. É um erro grave porque além da suspeição sobre a prefeitura, tem a suspeição sobre a Apae, que não faz parte do governo, é uma entidade filantrópica que atende há muitos anos os excepcionais e seus familiares.

 Parlamentar conhecido por sua ligação com a instituição, sobretudo com o polo de Ta­moios, que ajudou a fundar, Luis Geraldo Simas (PPS) disse que não quer fazer pré-julgamentos, mas que não abre mão de inves­tigar detalhadamente a situação.

– Esse é um assunto muito sério. Vou tomar todos os tipos de satisfações que a Prefeitura possa me oferecer porque a gen­te sabe o quanto é difícil manter aquelas crianças, aqueles pro­fessores. É uma causa suprapar­tidária. Não se pode fazer políti­ca em cima disso – ressalta Luis Geraldo.

R$ 30 milhões – O líder da oposição, Aquiles Barreto (SD), pediu apuração rigorosa da situ­ação, pois, segundo ele, o Portal

 da Transparência indica que os repasses para a entidade de 2014 para cá ultrapassam a soma de R$ 30 milhões.

 

Córrego Rico

O presidente da Câmara, Marcello Corrêa (PP), confirmou durante a sessão de ontem que um novo requerimento pedindo explicações sobre os contratos da empresa Córrego Rico com a prefeitura entrará na pauta da próxima terça-feira.
Conforme a Folha já tinha antecipado, diferentemente do documento protocolado pelos vereadores Aquiles Barreto (SD) e Celso Campista (PSB), o novo requerimento, de autoria de Luis Geraldo (PPS) e Vinicius Corrêa, vice-líder do Governo na Casa e sobrinho do prefeito Alair Corrêa (PP), contempla processos não apenas desta gestão, mas das anteriores, do hoje deputado federal Marquinho Mendes (PMDB), de 2005 a 2012.
Segundo Marcello, Aquiles e Campista já tinham protocolado o novo requerimento, mas como o fizeram depois da dobradinha Luis Geraldo-Vinicius, esta última teve prioridade, segundo o Regimento Interno.

 

Leia a matéria completa na edição impressa desta sexta-feira (16)