Assine Já
sexta, 24 de janeiro de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
19ºmin
Apartamento
educacao

Falta de quórum na Câmara dá banho de água fria em servidores da Educação

Categoria aguardava votação de projeto de lei sobre a isonomia salarial dos inspetores de alunos e de auxiliares de classe

11 julho 2019 - 20h05Por Rodrigo Cabral
Falta de quórum na Câmara dá banho de água fria em servidores da Educação

A falta de quórum para abertura de votações na Cãmara de Cabo Frio na sessão da noite desta quinta-feira (11) - a última antes do recesso de quinze dias do legislativo - deu um banho de água fria nos servidores da Educação. Eles aguardavam a votação de projeto de lei enviado pelo prefeito Adriano Moreno ao legislativo sobre a isonomia salarial dos inspetores de alunos e auxiliares de classe. O encaminhamento do projeto foi acertado em reunião anteontem entre o Sindicato dos  Profissionais da Educação (Sepe) e integrantes do governo, na prefeitura. Na véspera, servidores fizeram ocupação na prefeitura com o objetivo de fazer o governo reabrir o diálogo com a categoria. 

- Foi armação do governo - acusou a professora Denise Teixeira. - Soubemos que alguns vereadores falaram que não viriam porque o governo falou para não vir - disse, sem citar nomes.

As faltas foram de Aquiles Barreto, Vanderlei Bento, Vinicius Corrêa, Adeir Novaes, Rodolfo de Rui, Alexandra Codeço, Ricardo Martins, Leticia Jotta e Blau Blau. 

Como faltava apenas um vereador para que a sessão pudesse ser aberta, o presidente da Casa, Luís Geraldo, chegou a dar 10 minutos de tolerância para a abertura das atividades. Líder da oposição, o vereador Rafael Peçanha preferiu não ser taxativo.

- Não sei se teve manobra. Mas é um resultado decepcionante. Poderíamos resolver demandas importantes, como a dos auxiliares de classe, e o projeto que regulamenta alguns direitos dos agentes comunitários de Saúde. Não sei se foi proposital ou sem querer, mas que é decepcionante, é.

Saúde - Embora o salário tenha caído nesta quinta (11), servidores da Saúde continuam em greve, até que seja feita assembleia para decidir os rumos do movimento, diz o presidente do Sindicato dos Profissionais da Saúde (SindSaúde), Gelcimar Almeida, o Mazinho.

- Houve pagamento hoje (quinta), com alguns dias de atraso, mas existe ainda pendência no acordo não cumprido de pagamento de décimo terceiro salário de 2016. E ainda tem o triênio, que está congelado. Temos que negociar o descongelamento do triênio e a reposição de perda salarial, que seria a segunda proposta do governo, de 8%. Isso ainda não está definido - disse Mazinho.