Assine Já
quarta, 30 de setembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8402 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1657 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 695 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
Dirlei Pereira

Ex-secretário faz denúncia de aluguel de ambulâncias

Dirlei Pereira ameaça ir à Justiça se Prefeitura não reconsiderar

03 fevereiro 2017 - 02h37
Ex-secretário faz denúncia de aluguel de ambulâncias

 As contestações a respeito dos contratos firmados pela Pre­feitura de Cabo Frio no período de calamidade financeira não se restringem aos questionamentos formais feitos pelo vereador Ra­fael Peçanha (PDT) e o deputa­do estadual Silas Bento (PSDB) junto à Câmara Municipal e Tribunal de Contas, respectiva­mente. Agora é o ex-secretário de Saúde Dirlei Pereira que lan­ça suspeitas sobre os processos emergenciais feitos pela Prefei­tura, em especial, o aluguel de ambulâncias para as unidades municipais.

Com base em uma pesquisa, Dirlei alega que o município alugou as ambulâncias por um valor quase 72% acima da média de mercado. Conforme a Folha publicou na edição de ontem, a Prefeitura contratou o serviço por três meses junto à Connect Locação de Veículos por R$ 735 mil, o que significa aproximada­mente R$ 16,3 mil mensais por cada ambulância. Ao comparar a placa de uma das unidades que estão em uso no Hospital Cen­tral de Emergência, o ex-secre­tário descobriu que o veículo pertence, de fato, à outra firma: a Medical Save, de Belo Hori­zonte (MG).

Identificando-se como secre­tário de Saúde de outro municí­pio da região, Dirlei recebeu a cotação diretamente da Medical Save: R$ 9.500 por mês, quase R$ 7 mil a menos do que o negó­cio feito pela Prefeitura. Segun­do o ex-secretário, a Connect sublocou as ambulâncias pelo preço publicado no edital e cabe à administração pública explicar a diferença, sob pena de ter que fazê-lo para o Ministério Públi­co e à Justiça.

– A Constituição diz que o po­der público de rever os seus atos quando eivados de ilegalidade. Está provado de forma irrefutá­vel que este ato além de ilegal, é imoral. Espero que o prefeito reveja esse ato, sob pena de em uma semana eu ir às autoridades competentes – ameaça Dirlei.

Prefeitura se defende – Em nota, a Prefeitura de Cabo Frio informou que a contratação dos veículos contemplou a empre­sa que ofereceu o menor preço entre as concorrentes, nos ter­mos do artigo 24, inciso IV da Lei de Licitações - Lei 8.666/93. Segundo a Prefeitura, desta for­ma, a empresa em questão tem a obrigação de fornecer os veí­culos solicitados, não sendo de­terminado se eles devem ser de propriedade da empresa ou alu­gados de forma terceirizada.

A Prefeitura explicou ainda que, por conta da variação da po­pulação e da variação da neces­sidade de utilização do sistema de saúde nas diferentes épocas do ano, a contratação contem­pla a utilização da quantidade de veículos que for solicitada pelo município, sendo o máximo de até 15 ambulâncias (13 comuns e duas UTI’s) e que, no momento, estão sendo utilizadas oito ambu­lâncias (sete comuns e uma UTI).