Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
condenação

Ex-governador Sérgio Cabral é condenado a 14 anos e dois meses de prisão

Decisão do juiz Sérgio Moro é por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

13 junho 2017 - 11h49Por Redação I Foto: Reprodução
Ex-governador Sérgio Cabral é condenado a 14 anos e dois meses de prisão

O ex-governador do Rio (2007-2014) Sérgio Cabral foi condenado a 14 anos e seis meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Criminal de Curitiba, por corrupção passiva e 12 crimes de lavagem de dinheiro. A condenação acontece em processo no âmbito da Operação Lava Jato. A decisão foi publicada pela Justiça Federal na manhã desta terça (13). O ex-governador está preso desde novembro do ano passado e, pela sentença de Moro, permanecerá em regime fechado em caso de recurso da defesa. 

Segundo as investigações, Cabral foi beneficiário de um esquema de propina sobre um contrato entre a Petrobras o Consórcio Terraplanagem Comperj, composto pelas empresas Andrade Gutierrez, Odebrecht e Queiroz Galvão. A partir das evidências de ilegalidade, o Ministério Público Federal ofereceu denúncia, que foi aceita em dezembro do ano passado. 

A mulher do ex-governador, Adriana Ancelmo, foi absolvida das acusações de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro por falta de provas.

Além de Cabral, forma condenados seu ex-secretário de Governo e braço direito, Wilson Carlos (dez anos e oito meses de prisão pelo crime de corrupção passiva e por dois crimes de lavagem de dinheiro) e Carlos Miranda, operador financeiro do esquema (12 anos de prisão pelo crime de corrupção passiva e por quatro crimes de lavagem de dinheiro).

A mulher dele, Adriana Ancelmo, e foi absolvida por falta de prova suficiente de autoria ou participação. A mulher de Wilson Carlos, Mônica Carvalho, também foi absolvida no processo.