Assine Já
terça, 21 de setembro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 50892 Óbitos: 2066
Confirmados Óbitos
Araruama 12158 430
Armação dos Búzios 6211 64
Arraial do Cabo 1680 90
Cabo Frio 14098 828
Iguaba Grande 5364 134
São Pedro da Aldeia 6850 285
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
​Estudo do TJ indica que 85% das leis ferem Constituição

​Estudo do TJ indica que 85% das leis ferem Constituição

Na região, Câmaras de Cabo Frio, Arraial e Araruama engrossam estatística

18 fevereiro 2016 - 10h38
​Estudo do TJ indica que 85% das leis ferem Constituição

Levantamento aponta que grande parte das leis são incoerentes com a Constituição Federal de 1988

 

Rodrigo Branco

O mais recente estudo do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro sobre a qualidade das leis aprovadas nas Câmaras municipais e na Alerj mostra que o trabalho dos legisladores fluminenses tem sido de pouca ou nenhuma serventia. De acordo com o Anuário da Justiça 2016, levantamento produzido pelo Órgão Especial do TJ-RJ entre agosto de 2014 e julho de 2015, 85% das matérias foram consideradas inconstitucionais. Ao todo, foram avaliadas 142 leis de 34 municípios, entre eles Cabo Frio, Arraial do Cabo e Araruama e também de âmbito estadual.

Em Cabo Frio, foi feita uma amostragem com três leis, das quais duas (67%) ferem a legislação máxima do estado ou do país. Já no município cabista foram examinadas duas matérias, ambas considerada inconstitucionais pelo TJ. Em Araruama, aproveitamento pela metade: de duas leis, uma foi barrada pela Justiça por ferir a Constituição.

Para o advogado André Hermanny Tostes, sócio do escritório Tostes e Associados Advogados, uma das principais razões para a grande quantidade de leis que não encontram respaldo na Carta Magna é a falta de conhecimento sobre qual esfera (municipal, estadual ou federal) tem competência para legislar sobre determinado assunto. Ele acredita ainda que ‘há um excesso de leis’ no país.

– A primeira causa para isso acontecer é a convicção muito difundida na nossa sociedade de que a simples edição de uma lei resolve o problema, só que a realidade é muito mais complexa que isso. Outro fator é o pouco conhecimento de quem está legitimado a propor determinadas leis, ou seja, falta de conhecimento das regras constitucionais – comentou Hermanny Tostes.

*Leia matéria completa na edição impressa da Folha dos Lagos desta quinta-feira (18).