Assine Já
quarta, 12 de maio de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
16ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 37918 Óbitos: 1447
Confirmados Óbitos
Araruama 9612 300
Armação dos Búzios 4692 57
Arraial do Cabo 1317 69
Cabo Frio 10088 529
Iguaba Grande 3759 93
São Pedro da Aldeia 5248 224
Saquarema 3202 175
Últimas notícias sobre a COVID-19
Política

Estado do Rio acumula dívida com a União superior a R$100 bilhões

A informação foi divulgada, nesta terça-feira (20/08), durante audiência pública das comissões de Orçamento e de Tributação da Alerj

20 agosto 2019 - 17h22
Estado do Rio acumula dívida com a União superior a R$100 bilhões

O Estado do Rio já acumula uma dívida de R$ 118 bilhões com a União, segundo o secretário de estado de Fazenda, Luiz Cláudio Rodrigues de Carvalho. A informação foi divulgada, nesta terça-feira (20/08), durante audiência pública das comissões de Orçamento e de Tributação da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). A reunião conjunta foi marcada para avaliar o demonstrativo de metas fiscais que deveriam ser cumpridas pelo Poder Executivo de janeiro a abril deste ano. O encontro cumpriu a determinação da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2019 (Lei 8.055/18).

O valor da dívida já ultrapassa o limite de 200% permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) em cima da Receita Corrente Líquida. De acordo com Luiz Cláudio, o estado já está com 263% do orçamento comprometido e reduzir essa porcentagem é a maior preocupação do governo, garantiu o secretário. Ele informou que o estado só não é penalizado porque está sob o Regime de Recuperação Fiscal, que vai até 2022

.“Hoje a dívida está suspensa. O Rio de Janeiro não está pagando nem a amortização e nem os juros da dívida. Para resolver isso, temos duas opções. Uma é reduzir a dívida e isso implica no pagamento desses empréstimos; e a outra é aumentar as receitas do estado. Para isso, a economia do estado precisa crescer, temos que ter mais receitas tributárias e de royalties para que essa conta se reequilibre”, afirmou Luiz Cláudio. O secretário também lembrou que a dívida com a União já está renegociada até 2049.

“No entanto, esse alongamento não é de toda a dívida. Ainda estamos negociando para que outras partes também sejam repactuadas”, concluiu.O presidente da Comissão de Tributação da Casa, deputado Luiz Paulo (PSDB), ainda lembrou que é preciso rever a incorporação de uma dívida no valor de R$ 13 bilhões feita pelo Tesouro Nacional de maneira impositiva ao Estado.

“Se corrigido para os dias atuais essa dívida poderá chegar a R$ 20 bilhões. Esse número precisa ser expurgado da dívida. Ele foi imposto pelo tesouro e não é real. Além disso, é preciso alongar o pagamento da dívida por pelo menos mais duas décadas. Se não tomarmos essa medida, é melhor fechar as portas do estado porque em 2023 - quando acabar o Regime de Recuperação Fiscal - nós estaremos pagando cerca de R$ 20 bilhões só em serviço da dívida. Essa é uma situação extremamente dramática e um dos pontos centrais do nosso problema”, justificou o parlamentar.Equilíbrio das despesas no quadriênioDurante a reunião, a Secretaria de Fazenda também apresentou dados do primeiro quadrimestre de 2019 e mostrou um equilíbrio entre as receitas e despesas do Rio.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 29 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições na porta de casa, de terça a sábado. Ligue já: (22) 2644-4698. *Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.

“O dever de casa foi feito pelo Poder Executivo. Há uma certa estabilidade nas contas, fruto de uma política de austeridade e contenção de despesa. Mas não podemos esquecer que ainda é preciso aumentar a capacidade de arrecadação de receita do Rio de Janeiro. Saímos da reunião com a notícia de que o Rio não se endividou e está conseguindo manter esse equilíbrio, o que é muito bom. Porém ainda estamos muito distante de conseguir pagar as dívidas e precisamos rever o valor de juros e o cronograma de desembolso para o pagamento do déficit”, concluiu o presidente da Comissão de Orçamento, deputado Rodrigo Amorim (PSL).

Também estiveram na reunião os deputados Eliomar Coelho (PSol), Alexandre Freitas (Novo), Marcio Pacheco (PSC), Renan Ferreirinha (PSB) e a deputada Martha Rocha (PDT).