Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Jandira

Entrevista Jandira Feghali: 'argumento é mentiroso'

Deputada diz que déficit apregoado pelo Governo é farsa e crê que Câmara barre Reforma da Previdência

16 março 2017 - 02h04Por Rodrigo Branco I Foto: Divulgação Câmara (Nilson Bastian)
Entrevista Jandira Feghali: 'argumento é mentiroso'

Uma das maiores opositoras à Reforma da Previdência preten­dida pelo Governo Federal é a deputada federal Jandira Fegha­li (PC do B-RJ). Única mulher a compor a Comissão Especial que trata do tema, Jandira está otimista que a proposta não vai passar, pelo menos com o texto original, pelo Congresso, sobre­tudo pela fragilidade política do núcleo de poder do presidente Michel Temer (PMDB) e pela adesão à paralisação nacional realizada ontem em todo o país.

Em entrevista à Folha, a depu­tada afirma que as mudanças nas regras da aposentadoria seriam especialmente cruéis com traba­lhadores rurais e mulheres, que já possuem sobrecarga de trabalho, levando-se em conta as tarefas domésticas. Jandira disse ainda que é ‘mentiroso’ o argumento de que a Previdência está falida.

– Para tentar justificar o injus­tificável, o Executivo afirma que a Previdência tem um déficit de R$ 86 bilhões. Essa conta, no entanto, leva em consideração somente contribuições dos tra­balhadores e empresas. O regi­me previdenciário no Brasil é tripartite. A contribuição do go­verno é uma obrigação. Somen­te poderíamos falar de déficit se fosse necessário cobrir mais de 33% das despesas. Em 2015, essa conta ficou muito menor, foi de 18%. A previdência não tem déficit, esse governo é que pretende desviar esses recursos para outros fins – alega.

Folha – A senhora diz que o argumento de que a Previdência é deficitária é falso? Por que?

Jandira – O argumento do déficit é mentiroso. Todo mundo sabe que a Previdência é supe­ravitária. O argumento do déficit é usado para gerar o terrorismo: “Oh, sem a reforma quebra o país”. Não é verdade. O pro­blema da Previdência não é a Previdência, o problema da Pre­vidência é a economia. É gerar emprego, é superar a sonegação de R$ 456 bilhões à Previdência, é acabar com essa desoneração, é cobrar Dívida Ativa. Não é a regra da Previdência que é o pro­blema.

Folha – A senhora é a úni­ca mulher na Comissão que debate a Reforma. O que essa mudança afetaria diretamente as mulheres?

Jandira – Quando iguala a idade de homens e mulheres é pior ainda porque 90% do tra­balho doméstico é feito por elas. Nós temos uma jornada de tra­balho maior, um salário menor e uma precarização dos direitos trabalhistas muito maior.

Folha – Após a divulgação da lista do procurador-geral Ro­drigo Janot, que envolve cinco ministros, o governo Temer re­úne condições políticas para le­var essa reforma adiante?

Jandira – Nem condição política, nem condição ética, nem legitimidade para propor mudanças constitucionais no Brasil e o pacto que ele não tem condições de fazer. É um governo sem nenhuma credi­bilidade. Diria que a cara da República está muito feia, quando a gente vê Alexandre de Moraes no Supremo; ele no Planalto; e uma parcela desse Congresso, que além do envolvimento com problemas éticos também não tem nenhum compromisso com a sociedade brasileira.

Folha – O presidente da Co­missão Especial é o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) é aliado de primeira hora do ex-presidente da Câmara, Edu­ardo Cunha, hoje preso...

Jandira – Tenho brincado que o Parlamento faz mal à saú­de. Está difícil de vivenciar dia­riamente os discursos e o tipo de atuação de boa parte desse Con­gresso. Mas a gente está aqui para defender o que acredita e o povo brasileiro naquilo que a gente acha que é correto.

Folha – As manifestações desta quarta podem ter algum efeito prático para barrar a Reforma?

Jandira – Hoje (ontem) foi um marco histórico como o dia 8 de março também foi e está au­mentando muito a mobilização para dentro da base dos depu­tados. Eles estão para as ci­dades onde os deputados são votados para fazer a divul­gação e cobrar a posição do deputado sobre a Reforma da Previdência. Esse movimen­to e essa pressão vão ajudar muito. Essa Reforma já não passa como está hoje. Tem divisão na base do governo. Eles não têm maioria pra pas­sar, precisam de 308 votos. Eles podem fazer algumas mudanças periféricas, mas não resolve o problema. Nós temos que der­rotar a proposta. Ela não pode ir adiante porque ela é absoluta­mente desumana e prejudicial às mulheres e aos trabalhadores de baixa renda.

O que muda nas regras de aposentadoria com a Reforma da Previdência:

Idade Mínima para aposentadoria

Hoje: mulheres – 55 anos; homens – 60 anos

Com as mudanças: homens e mulheres – 65 anos

Anos de contribuição

Hoje: mínimo de 15 anos

Com as mudanças: mínimo de 25 anos

Ao completarem contribuição, quanto receberão

Hoje: 100% do salário

Com as mudanças: 100% do salário apenas com 49 anos de contribuição; abaixo disso, 73%

Salário-maternidade para agricultora familiar

Hoje: 10 meses de comprovação antes da gravidez

Com as mudanças: 12 meses de comprovação antes da gravidez

Auxílio-doença

Hoje: 10 meses de comprovação antes do ocorrido

Com as mudanças: 12 meses de comprovação antes do ocorrido

Trabalhadores rurais

Hoje: Idade mínima de 55 anos para as mulheres e de 60 anos para os homens; mínimo de 15 anos de trabalho no campo

Com as mudanças: Passam a contribuir para o INSS, sob as mesmas regras do regime geral