Assine Já
sexta, 03 de julho de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
15ºmin
TEMPO REAL Suspeitos: 325 Confirmados: 2996 Óbitos: 179
Suspeitos: 325 Confirmados: 2996 Óbitos: 179
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 260 584 40
Armação dos Búzios X 250 6
Arraial do Cabo 11 73 11
Cabo Frio X 943 58
Iguaba Grande 13 207 20
São Pedro da Aldeia 24 455 16
Saquarema 17 484 28
Últimas notícias sobre a COVID-19
Governador

Endividado, estado faz escala para pagamento do mês de novembro aos servidores

Governador Pezão promete salários até dia 9

02 dezembro 2015 - 10h02

A incerteza quanto ao calen­dário de pagamento dos servi­dores públicos está longe de ser exclusiva do funcionalismo cabofriense. Alegando dificul­dades financeiras, o governo do estado parcelou o pagamento do salário de novembro dos fun­cionários que recebem mais de R$ 2 mil. Ontem, o governador Luiz Fernando Pezão disse que está ‘lutando muito’ para pagar a diferença até o próximo dia 9.

– Parcelamos e todo mundo vai receber até R$ 2 mil amanhã (hoje). Estou procurando ante­cipar o pagamento para dia 9. Depois, é a luta para o décimo terceiro e mais outra para de­zembro – comentou.

Dentro do calendário do go­verno, os primeiros a receber foram os mais de 90 mil pensio­nistas, entre os últimos dias 24 e 30, de acordo com o número da inscrição. Os funcionários de órgãos da administração in­direta também receberam seus vencimentos na última segunda. Ontem, foi a vez dos servidores inativos que recebem até R$ 2 mil e do Detran, que tem receita própria. Já os depósitos das pen­sões alimentícias começaram a ser feitos ontem e serão conclu­ídos hoje. A primeira parcela do décimo terceiro salário já tinha sido paga no meio do ano, en­quanto a segunda está prevista para ser paga no próximo dia 17.

– Ontem (anteontem), fize­mos uma bateria de pagamento. Hoje, estamos vendo novas for­mas de agilizar os pagamentos de outros setores. Daqui para frente, será uma luta diária para honrarmos com nossos com­promissos. É conhecido que o estado e o país passam por um momento muito difícil. Vivemos de repasses, do recolhimento de impostos pelas empresas. Se elas não recolhem, o estado fica sem ter como honrar compromissos – afirmou Pezão.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quarta-feira (2)