Assine Já
sexta, 14 de agosto de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
17ºmin
Alerj
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 5213 Óbitos: 304
Confirmados Óbitos
Araruama 846 62
Armação dos Búzios 384 9
Arraial do Cabo 132 12
Cabo Frio 1721 100
Iguaba Grande 420 26
São Pedro da Aldeia 796 44
Saquarema 914 51
Últimas notícias sobre a COVID-19
Alair

Empréstimos aos municípios: ​Pezão e Picciani são contra

Alair fala em salvar a cidade e ataca a oposição

27 agosto 2015 - 09h54

Mesmo após o governador Luiz Fernando Pezão e o presidente da Asssembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Jorge Picciani, ambos do PMDB, fazerem duras críticas à contração de empréstimos para os municípios com base na antecipação dos royalties, o prefeito Alair Corrêa (PP) afirmou ontem em vídeo divulgado no Facebook que a medida ajudará a salvar Cabo Frio. Ele também atacou a oposição.

– Os adversários falam que estamos vendendo o futuro. Perguntemos a eles: como podemos vender o futuro se temos um presente totalmente comprometido por terem sido administrativamente irresponsáveis no passado? Quem poderia, conhecendo nossa situação de cidade falida, querer comprar nosso futuro? Se estão se referindo aos recursos que estamos lutando para conseguir salvar Cabo Frio, esclarecemos que esse dinheiro tem a chancela do Senado e da Agência Nacional do Petróleo.

Esta semana, no I Fórum de Valorização dos Municípios do Estado do Rio de Janeiro, em Macaé, Pezão e Picciani alertaram sobre os riscos da operação financeira.

– O momento não é bom porque o preço do dólar está em alta e o do barril do petróleo em baixa. O Estado tem autorização para realizar esse tipo de operação de crédito, mas não vai fazer no momento – disse Pezão.

Picciani foi além e disse que a medida representaria ‘um atraso de, no mínimo, dez anos para os municípios’ que a adotarem. Diante de uma plateia de políticos e empresários, o presidente da Alerj foi enfático e fez críticas à aplicação dos recursos provenientes do petróleo nos últimos anos, frisando que todos conseguirão superar a crise, mas “quem usou bem o dinheiro dos royalties passa de maneira diferente de quem usou mal”.