Assine Já
domingo, 20 de junho de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
16ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 43349 Óbitos: 1676
Confirmados Óbitos
Araruama 10701 336
Armação dos Búzios 5211 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11551 622
Iguaba Grande 4461 107
São Pedro da Aldeia 5895 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
empréstimo

Empréstimo de Cabo Frio deve parar na Justiça

Oposição prepara ação, enquanto governo se vale da lei Crivella para não deixar projeto 'morrer'

03 junho 2016 - 10h08
Empréstimo de Cabo Frio deve parar na Justiça

Grande número de pessoas passou noite em claro em frente à Câmara antes da última sessão (Alcineu Ribeiro)

Sem a maioria dos vereadores da Câmara, conforme o esperado, o governo recuou e retirou da pauta da sessão desta quinta (2) a mensagem relativa ao empréstimo de até R$ 200 milhões junto ao Banco do Brasil. Mas ainda que o período eleitoral tenha começado oficialmente ontem – quando não são permitidas operações de crédito do tipo – os aliados do prefeito Alair Corrêa (PP) não perdem a esperança de concretizar a negociação.

De acordo com a tese do grupo, a lei Crivella (Resolução nº 02/2015, que atualiza a Resolução nº 43/2001) tem caráter excepcional e, desta forma, estaria acima da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que proíbe operações de crédito nos oito meses finais de mandato para cargos executivos, com a dívida ficando para os sucessores.

Com isso, a aposta agora é ganhar tempo para possivelmente alterar o polêmico artigo 4 – que dá recursos próprios do município como garantia de pagamento da dívida e seria uma exigência do Banco do Brasil – e, quem sabe, reverter o voto de algum dos sete vereadores da chamada ‘bancada independente’, que já se manifestaram contrários ao empréstimo.

Isso é um posicionamento que tem que ser dado por eles. Não sei se é um posicionamento contrário ao projeto como um todo. Pelo que ouvi falar é só o artigo 4. Com relação a isso, dá tempo de propor emendas, inclusive supressivas – aponta o vice-líder do governo, Vinícius Corrêa (PP), afirmando que o processo se encontra ‘no prazo’.

Mas as dificuldades promete continuar grandes. Além da recomendação do Ministério Público, que pediu a retirada definitiva do projeto da pauta, sob pena de denunciar os responsáveis por improbidade, a oposição pretende se manter na cola do governo.

Em seu discurso, o líder Aquiles Barreto (Solidariedade) novamente criticou a tentativa de Alair de contrair o empréstimo no fim do mandato, bem como a indicação de uma instituição financeira específica.

– A Lei de Responsabilidade Fiscal é bem clara sobre haver licitação entre os bancos, para o município conseguir as melhores condições de juros, amortização e outras – disse.

Aquiles afirmou ainda que pode tomar ações judiciais, assim como também pretende Adriano Moreno (Rede).

– Caso a matéria seja aprovada, vou entrar com ação para a Justiça embargar o empréstimo.