Assine Já
sábado, 24 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
Dirlei

Em entrevista à Folha, Dirlei Pereira diz que antecipar campanha eleitoral só agrava a crise

‘Meu partido agora é o do Turismo’

22 agosto 2015 - 09h00

RODRIGO BRANCO

 

Visivelmente satisfeito com o resultado das cinco reuniões já realizadas do fórum Cabo Frio+, que discute os rumos do turismo na cidade, o secretário Dirlei Pe­reira parece ter encontrado seu pouso definitivo na gestão muni­cipal. No entanto, ele diz que as experiências anteriores na admi­nistração pública (na chefia de Gabinete e nas secretarias de Go­verno e Saúde) ‘serviram como aprendizado’ para o atual cargo. Em entrevista à Folha, Dirlei fala do trabalho na pasta, da relação com o prefeito Alair Corrêa e dos rumores de que tentou assumir o controle do seu partido, o PRB.

– Se eu quisesse, seria o pre­sidente. O Cláudio Bastos [atual presidente] nem conhecia o sena­dor [Marcelo] Crivella – disse.

Folha dos Lagos – Como avalia o resultado das reuniões do Cabo Frio+?

Dirlei Pereira – No meu se­gundo dia à frente da secretaria fiz uma reunião com o trade tu­rístico e disse aos empresários que não era um especialista e precisava ouvi-los para aprender com eles. Temos na cidade dois momentos distintos: 60 dias de fartura, se tanto, e dez meses de vacas magras. Ao convidar esse pessoal, precisava saber para onde apontar. Assim que assumi, vi que um Plano de Turismo nun­ca tinha sido elaborado, o que é um absurdo. O sucesso das con­versas foi tão grande que eu em parceria com o (jornalista) Moa­cir Cabral tivemos a ideia de criar o Cabo Frio+, que envolve a so­ciedade civil organizada. Depois dessa quinta etapa, partimos para discutir um projeto fundamental, que é incentivar o turismo históri­co-cultural. A história de Cabo se confunde com a do Brasil. Está entre as sete cidades mais antigas do país e isso não se explora. A grande sacada do Cabo Frio+ é ouvir a sociedade civil e implan­tar definitivamente no turismo da cidade a meritocracia, ou seja, trabalhar com os melhores, in­dependentemente de vinculação partidária. Cabo Frio está dividi­da hoje e quem perde é a cidade. O trabalho é de reunificação.Folha – Qual o principal projeto no momento?

Dirlei – Atualmente é o ‘Hora H’, onde estudantes de História da Estácio de Sá vão passar o dia inteiro na companhia de técnicos apresentando a cidade ao turista e também à população. É pre­ciso trabalhar a autoestima das pessoas. Abateu-se, com razão, o pessimismo nas pessoas, mas reclamar não adianta. O objetivo é contagiar as pessoas e mostrar que temos uma história da qual devemos nos orgulhar. Creio que nessa direção vamos construir um novo tempo. A cidade só é boa para receber se é boa para quem vive aqui. Se não tiver Saú­de, Educação e Transporte, como vou vender isso? Mas uma coisa são as finanças da cidade, outra é a economia. Mesmo com as fi­nanças quebradas, isso não impe­de que empregos sejam gerados.

Folha – A impressão que se tem que as ações do Turismo são mais individuais do que uma política de governo...

Dirlei – Quando assumi não tinha um centavo de orçamento. Eu tinha duas alternativas: cru­zar os braços e secar as lágrimas ou partir para ações concretas. A questão é de atitude. Ou você se conforma ou resolve fazer a diferença. Tenho uma atuação mais independente, mas isso não significa insubordinação, e sim, atitude. Se eu não faço nada que envergonhe o Governo, só não quero que me puxem o tapete.

Folha – Como está a relação com o prefeito?

Dirlei – Apesar de ele já ter me tachado de rebelde, é boa porque ele me respeita. Em qualquer cargo que estive, te­nho uma preocupação muito grande de não desonrá-lo. Ele sabe que sempre terá em mim uma pessoa que age com inte­gridade, responsabilidade com o dinheiro público e que não aceita bochicho. Ele tem a tran­quilidade de saber que onde eu estiver, não terá a Polícia Fede­ral batendo à sua porta.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa deste final de semana