Assine Já
segunda, 19 de abril de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
20ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 33802 Óbitos: 1256
Confirmados Óbitos
Araruama 8610 270
Armação dos Búzios 4107 54
Arraial do Cabo 1200 62
Cabo Frio 9174 447
Iguaba Grande 3308 82
São Pedro da Aldeia 4591 188
Saquarema 2812 153
Últimas notícias sobre a COVID-19
rua

Dividida, região se mobiliza em manifestação de rua

Ala pró-afastamento se reúne domingo; defensores do governo vão à Brasília

16 abril 2016 - 14h47

É em clima de Copa do Mun­do que o país vai acompanhar neste fim de semana a vota­ção na Câmara dos Deputados, em Brasília, que pode definir o afastamento da presidente Dil­ma Rousseff. Assim como em boa parte do país, o ‘Fla x Flu’ político se reflete na região e os segmentos a favor e contra o impeachment da presidente se articulam para manifestar suas opiniões e acompanhar o voto de cada parlamentar.

Animado com a repercussão do último ato, em 13 de março, um dos coordenadores do Mo­vimento Brasil Livre na Região dos Lagos, Leonardo Estellita, planeja levar à Praça Porto Ro­cha, amanhã, às 9h30, bem mais do que os 1.500 presentes na­quela ocasião. Estellita acredita que há motivos suficientes para Dilma ser afastada do cargo.

–As principais entidades jurí­dicas como a OAB e o STF já referendaram que há uma di­versidade de crimes da Dilma e também do Michel Temer. O impeachment está longe de ser golpe. Golpe foi o que fizeram com o povo, golpe é o que fize­ram com a Petrobras, golpe foi o que foi feito com Brasil – afirma o artista plástico.

De outro lado, os defensores do governo também se movi­mentam contra o que, para eles, seria um ‘golpe contra a demo­cracia’. Um ônibus foi fretado pela Frente Brasil Popular La­gos para acompanhar a votação de perto, na Capital Federal. O movimento é ligado às centrais sindicais e entidades de defesa do movimento negro e está alia­da à Frente Povo sem Medo, de oposição ao governo, mas de es­querda. Ontem, o grupo protes­tou na Praça Porto Rocha.

– Estamos aliados pela demo­cracia, pela legalidade e contra o golpe. O pedido de impeach­ment está baseado na questão das pedaladas fiscais que não é crime. É má gestão. Ela pecou como gestora, mas as pedaladas são inerentes à administração pública. Governadores e prefei­tos fazem isso – defende um dos coordenadores da frente, o pro­fessor Guilherme Pinto.

Ainda que as manifestações dos grupos pró e contra o gover­no tenham sido marcados para datas diferentes, a polícia se prepara para evitar transtornos por conta de eventuais reações ao resultado da votação. Contu­do, o efetivo não foi confirmado.

– A PM vai se fazer presente para garantir o direito à demo­cracia e o direito de livre mani­festação. Ainda estamos nos reu­nindo para dimensionar o evento para definir o efetivo. Mas acre­dito que não teremos problemas e o espírito democrático vai pre­valecer – disse o comandante do 25º Batalhão, tenente-coronel André Henrique de Oliveira.

* Confira matéria completa na edição deste fim de semana da Folha dos Lagos.