Assine Já
quarta, 23 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Alerj2
Alerj3
TEMPO REAL Confirmados: 43602 Óbitos: 1679
Confirmados Óbitos
Araruama 10812 339
Armação dos Búzios 5233 57
Arraial do Cabo 1501 83
Cabo Frio 11637 622
Iguaba Grande 4474 107
São Pedro da Aldeia 5916 260
Saquarema 4029 211
Últimas notícias sobre a COVID-19
semana

Discussão sobre Plano de Cultura recomeça este mês

Semana Teixeira e Souza terá novo fórum com classe artística, que está irritada

02 março 2017 - 09h42Por Rodrigo Branco | Foto: Arquivo Folha
Discussão sobre Plano de Cultura recomeça este mês

Passado o Carnaval, Cabo Frio começa a retomar a normalidade e assuntos que estavam pendentes voltam à pauta do dia. Um deles é o polêmico Plano Municipal de Cultura. Muito criticado por setores da classe artística cabofriense por liderar na Câmara a derrubada do projeto original do plano que instituiria as diretrizes culturais da cidade nos próximos anos, o vereador Miguel Alencar (PPS) acena com a bandeira branca. Mesmo reiterando os motivos do arquivamento – inviabilidade de alguns itens e documentação incompleta, segundo ele –, Miguel disse que um novo fórum com os agentes culturais será marcado para a Semana Teixeira e Souza, prevista para o fim deste mês.

– Vale ressaltar que uma boa parcela dos artistas locais compreende o meu posicionamento e a inviabilidade do Plano elaborado. Não digo que todo ele era inviável, porém, tinham tópicos que não poderiam ser aprovados e isso comprometeu o restante das propostas – argumenta.

Apesar das justificativas do vereador, o fato é que a volta do processo à estaca zero irritou muitos artistas e produtores da cidade, que não poupam críticas ao governo e aos vereadores da base aliada que vetaram o projeto, sobretudo Miguel Alencar. Para o ator Ravi Arrabal, por exemplo, a ação foi ‘política’ com o objetivo da atual gestão ‘ganhar os louros’ por um novo plano. 

– Para quem passou anos participando dos fóruns e debatendo proposta é uma sensação de tempo perdido – lamenta o artista.

A produtora do Santo Samba, Luciana Branco, concorda com Ravi Arrabal.

– Penso que o que foi construído com o esforço de toda uma classe cultural não pode, nem deve ser descartado da maneira como foi pelos representantes do povo – opina.

Confira matéria completa na edição desta quinta-feira da Folha dos Lagos.