Assine Já
domingo, 16 de maio de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
15ºmin
Alerj
Alerj
TEMPO REAL Confirmados: 38271 Óbitos: 1463
Confirmados Óbitos
Araruama 9632 300
Armação dos Búzios 4705 57
Arraial do Cabo 1332 69
Cabo Frio 10222 542
Iguaba Grande 3800 93
São Pedro da Aldeia 5306 227
Saquarema 3274 175
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Depois do MP, a vez do Tribunal de Contas

Órgão também vai apurar supostas irregularidades em repasses para a Educação

19 setembro 2019 - 18h48Por Rodrigo Branco
Depois do MP, a vez do Tribunal de Contas

O Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) vai apurar as denúncias de supostas irregularidades em repasses de verbas para a Secretaria de Educação na atual gestão, do prefeito Adriano Moreno (DEM). O órgão acatou uma representação feita pelo ex-secretário de Educação Cláudio Leitão, que deixou o cargo em maio deste ano. Segundo Leitão, a Secretaria de Fazenda deixou de repassar recursos da ordem de R$ 40 milhões, enquanto ele esteve à frente da Educação.

A representação foi acatada pelo conselheiro substituto Marcelo Verdini Maia. No momento, o processo está na 1ª Coordenadoria de Auditoria de Contas, que está analisando os documentos. Em seguida, o processo será encaminhado para o Ministério Público Especial. A análise do mérito da representação, ou seja, as denúncias das possíveis irregularidades, estão suspensas enquanto prosseguir o processo de auditoria interna feita pelo TCE-RJ.

De acordo com documentos a que a reportagem teve acesso, a Prefeitura de Cabo Frio já foi notificada sobre o assunto e enviou um ofício ao TCE-RJ. No documento, assinado pelo prefeito Adriano Moreno, as denúncias do ex-secretário são tratadas como ‘levianas’. O ofício diz ainda que foi formada uma comissão de auditoria interna para analisar se houve irregularidades no setor e que o relatório será enviado ao Tribunal assim que for concluído.
Este é o segundo órgão que sinaliza que vai fundo na apuração da questão, basado nas denúncias feitas por Leitão. No fim de agosto, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro entrou com ação na 2ª Vara de Cabo Frio para cobrar o cumprimento de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado em setembro do ano passado, no qual ficou estabelecida a compensação dos repasses que não foram feitos no ano de 2016, ainda na última gestão do ex-prefeito Alair Corrêa. 

A ação foi assinada pelo promotor de Justiça Leonardo Zulato Barbosa e ajuizada pelo Grupo de Atuação Especializada em Educação (Gaeduc/MPRJ). 

Segundo o MP, uma ação civil pública para resolver a questão já havia sido ajuizada em 2017, até ser firmado o TAC, pelo qual a Prefeitura de Cabo Frio assumiu vários compromissos, entre eles o de regularizar os repasses e criar contas específicas para a gestão dos recursos vinculados ao setor, para garantir sua regular e mensal aplicação, conforme previsto na Constituição Federal e na Lei de Diretrizes e Bases. 
A legislação exige o repasse mensal do percentual mínimo de 25% da arrecadação de impostos para a Educação. Por causa do déficit, ficou estabelecido que, além do percentual mínimo constitucional, seria reposto um adicional entre 2,37% e 2,70% até o ano de 2021.
 Segundo o antigo secretário declarou à época, a falta dos repasses regulares gerou várias dificuldades na gestão da pasta, como o atraso no pagamento de professores e no fornecimento da merenda.