Assine Já
sexta, 24 de setembro de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
16ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Supervisão

Depois da pressão contra parlamentares, união por salários

Frente suprapartidária se movimenta para garantir vencimentos atrasados e 13º salário de servidores de Cabo Frio

13 dezembro 2015 - 09h26Por Rodrigo Branco

A pressão popular junto aos vereadores de Cabo Frio co­meça a surtir efeito. Depois de terem sido ostensivamente co­brados nas sessões da última semana, os parlamentares co­meçam a se movimentar para buscar solução para os proble­mas vividos pelo funcionalismo municipal, como os constantes atrasos salariais e o corte de gratificações, horas-extras e adicionais.

Pelo que a Folha pode apurar nos bastidores da Câmara, desta vez, a articulação não se restrin­ge ao bloco de oposição lidera­do pelo vereador Aquiles Barre­to (SD), que normalmente conta com o apoio de Celso Campis­ta (PSB) e mais recentemente, com a adesão de Adriano More­no (Rede Sustentabilidade).

A proposta de pressionar o governo a pagar os vencimen­tos atrasados já conta com a simpatia de outros dez parla­mentares, de uma ala conside­rada ‘independente’ formada por Braz Enfermeiro (PMDB), Eduardo Kita (PT), Emanoel Fernandes (Pros), Fred (PDT), Jefferson Vidal (PSC), Zé Ri­cardo (PMDB), Luis Geraldo Simas (PPS), Ricardo Martins (SD), Rodolfo Machado (SD) e Vanderlei Bento (PSDB).

A princípio, as conversas não envolvem a ‘tropa de cho­que’ governista formada pelo clã Corrêa – o presidente da Mesa Diretora, Marcello (PP); Vinícius (PP) e Paulo Henrique (PR) – e pelo líder do governo na Casa, Taylor Jasmin (PRB).

A união suprapartidária po­deria abrir caminho para outras investidas conjuntas como, por exemplo, a revogação do de­creto nº 5.441, baixado no fim de setembro pelo prefeito Alair Corrêa (PP). Entre outras me­didas, o documento suspende o pagamento de direitos traba­lhistas como adicional noturno e insalubridade.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa deste fim de semana