Assine Já
sábado, 05 de dezembro de 2020
Região dos Lagos
26ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 13221 Óbitos: 567
Confirmados Óbitos
Araruama 2625 126
Armação dos Búzios 1500 22
Arraial do Cabo 427 21
Cabo Frio 3925 183
Iguaba Grande 1197 41
São Pedro da Aldeia 2010 79
Saquarema 1537 95
Últimas notícias sobre a COVID-19
Política

Delator afirma que TCE do Rio de Janeiro achacava prefeitos

Delação cita Macaé, Duque de Caxias e Niterói

10 abril 2017 - 10h10
Delator afirma que TCE do Rio de Janeiro achacava prefeitos

O ex-presidente do Tribunal de Contas do Rio (TCE-RJ), Jonas Lopes, afirmou em depoimento de delação premiada que os conselheiros da corte receberam propina para ignorar irregularidades em prefeituras do estado.

De acordo com o jornal Estado de S. Paulo, os depoimentos de Lopes e do filho, Jonas Lopes Filho, citam Macaé, Duque de Caxias e Niterói.

Um dos casos, de acordo com o relato do ex-presidente, envolveu acordo que teria sido firmado com Riverton Mussi, prefeito de Macaé de 2005 a 2013 pelo PMDB, e candidato a vereador pelo PDT no ano passado. 

O delator contou que, após assumir a presidência do TCE, em 2013, foi procurado por Mussi, que teria dito que, apesar de um “acerto” com os conselheiros, quando ainda estava no cargo, estaria “apanhando muito do tribunal”. Mussi teria dito a Lopes que o acordo fora combinado com o conselheiro José Maurício Nolasco.

Ainda segundo a delação, o conselheiro José Gomes Graciosa começou a pedir vista da maioria dos processos sobre Macaé, em forma de suposta represária, devido ao fato de Nolasco "receber vantagens indevidas em nome do tribunal sem dividi-las com os demais participantes do esquema". 

Depois da abordagem do ex-prefeito, contou Lopes, o conselheiro José Gomes Graciosa passou a pedir vista da maioria dos processos sobre Macaé, “se não de todos”. Graciosa teria dito a Lopes que agia em represália, “por se sentir vítima de uma volta do conselheiro Nolasco”, “que teria feito um voo solo”, “recebendo vantagens indevidas em nome do tribunal sem dividi-las com os demais participantes do esquema”.