Assine Já
domingo, 27 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Andinho

Defesa de Andinho vai alegar ‘respeito à vontade popular’

Prefeito de Arraial ainda não foi notificado pelo TRE de cassação

23 agosto 2016 - 10h00Por Redação I Foto: Arquivo Folha
Defesa de Andinho vai alegar ‘respeito à vontade popular’

Uma semana depois do julgamento no TSE que confirmou a cassação do prefeito de Arraial do Cabo, Wanderson Cardoso de Brito, o Andinho (PMDB), a cidade ainda aguarda em suspense o desfecho do episódio.

Segundo a assessoria do Tribunal, o acórdão ainda não foi publicado mas já está na Seção de acompanhamento e Composição. De acordo com o TSE, após a publicação, que ainda não tem data para acontecer, as partes interessadas têm três dias para entrar com recurso.

Apesar das dificuldades em reverter o quadro, a defesa do prefeito confirmou ontem que tentará um efeito suspensivo. O argumento usado pelo advogado Sérgio Azevedo será administrativo e institucional.

– Vamos alegar a necessidade de se evitar a alternância de poder, sobretudo por faltar poucos meses para o término do mandato. Prestigiar a vontade popular até que se tenha decisão definitiva sobre o caso – disse à Folha.

A equipe de acusação ao prefeito já admitia na semana passada a possibilidade de a defesa entrar com recurso no TSE ou até mesmo com ações cautelares junto ao Supremo Tribunal Federal.

Mas, ao mesmo tempo, o advogado David Figueiredo considera a chance de êxito ‘remotíssima’, (leia aqui) uma vez que três dos 11 ministros do STF (Rosa Weber, Edson Fachin e Luis Roberto Barroso) já votaram a favor da cassação na terça passada.

O caso – Andinho e o vice-prefeito Reginaldo Mendes (PT) são acusados de abuso de poder político por conta de um evento realizada a 15 dias das eleições de 2012, na qual foram distribuídos carnês do IPTU para moradores de áreas carentes da cidade. Na semana passada, o recurso foi rejeitado por 6 votos a 1 no plenário do TSE.