Assine Já
domingo, 24 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
Pezão

Debate sobre pacote de Pezão é marcado por conflitos

Manifestantes derrubaram proteção e tentaram entrar no prédio da Alerj

17 novembro 2016 - 01h19Por Rodrigo Branco I Foto: Rafael Gonzaga
Debate sobre pacote de Pezão é marcado por conflitos

As grades colocadas em torno do Palácio Tiradentes a um custo de R$ 20 mil não resistiram ao primeiro dia de debates na As­sembleia Legislativa do pacote de medidas de austeridade pro­posto pelo governo do Estado por causa da crise financeira.

As imediações da sede do Le­gislativo estadual tornaram-se praça de guerra depois que mani­festantes derrubaram a proteção e tentaram entrar no prédio para acompanhar a sessão. A Polícia Militar reprimiu violentamente a tentativa com balas de borra­cha, spray de pimenta e bombas de efeito moral. Pelo menos, um manifestante ficou ferido.

Apesar do clima de tensão, a sessão foi iniciada no horário marcado, por volta das 15 horas. Em tom semelhante ao dos cole­gas discursavam, o deputado Janio Mendes (PDT) lastimava que a situação tivesse saído de controle.

– É lamentável que a situação chegue a esse ponto de colocar servidor contra servidor. Falta uma liderança do governo para exercer o diálogo nesse tempo de crise – avaliou.

Um grupo de professores do Sindicato dos Profissionais da Educação da Região dos Lagos (Sepe-Lagos) uniu-se ao movi­mento estadual e esteve no Cen­tro do Rio para protestar.

– Fomos tentar combater o pacote de maldades do gover­no Pezão, que só vem querendo retirar direitos das categorias da rede estadual. A gente viu uma total repressão. Estamos viven­ciando uma falsa democracia – comentou a diretora de imprensa do Sepe-Lagos, Denise Teixeira.

Segundo a sindicalista, apesar do tumulto, ninguém da delega­ção cabofriense ficou ferido.

Ontem foram debatidas as mensagens que a redução do salário do governador e sobre a diminuição para 15 salários mínimos do limite para pagamento de obrigações de pequeno valor, hoje estipulado em 40 salários.