Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Temer

Crise política: políticos da região querem eleições diretas

Avaliação é de que Michel Temer não tem condições de continuar no Presidência

19 maio 2017 - 07h54Por Texto: Rodrigo Branco | Foto: Reprodução
Crise política: políticos da região querem eleições diretas

Durante todo o dia de ontem ecoou pelo país o escândalo cau­sado pelas revelações do empre­sário Joesley Batista, do frigo­rífico JBS, de que o presidente Michel Temer teria autorizado pagamento de propina para si­lenciar possíveis denúncias do ex-presidente da Câmara, Edu­ardo Cunha, preso desde outubro do ano passado. Assim como em Brasília, os políticos da Região dos Lagos demonstraram preo­cupação com os desdobramentos para o país de uma crise política da qual poucos se atrevem a pre­ver o desfecho. No entanto, entre as lideranças ouvidas pela repor­tagem, uma coisa é certa: após as gravações feitas por Joesley em conversa com Temer, o presi­dente não tem mais condições de permanecer no cargo.

Um dos que defendem a sa­ída imediata do presidente é o deputado estadual Janio Mendes (PDT). Manifestando a mesma posição de deputados federais e senadores do seu partido, Janio quer que a escolha de um eventu­al sucessor de Michel Temer seja por eleição direta.

– É essencial o fortalecimento das instituições, aprofundamen­to das investigações e punição dos culpados. Somente a convo­cação de uma eleição direta, sem rompimento da ordem constitu­cional, pode devolver a tranqui­lidade e ordem política e social ao país neste momento – afirma.

Seu colega na Assembleia Le­gislativa (Alerj), o deputado Si­las Bento (PSDB) é ainda mais incisivo e não poupou sequer o até ontem presidente nacional do seu partido, Aécio Neves. Aécio é acusado de receber R$ 2 milhões de Joesley para pagar um advogado para se defender das acusações da Operação Lava Jato. Afastado do cargo de sena­dor pelo ministro Édson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, Aécio licenciou-se da presidên­cia do PSDB no fim da tarde de ontem.

– Ele tinha que renunciar, pois não nos representa. Ele (Aécio) não pode fazer isso e ficar à fren­te do partido em nível nacional. Eu me envergonho de tê-lo como presidente do partido – dizia Si­las, antes mesmo da notícia da saída de Aécio, e também defen­dendo eleições para ‘todo o alto clero da política’.

– Está tudo contaminado – acredita.

Por sua vez, o prefeito de Ar­raial do Cabo, Renatinho Vianna (PRB), pede punição exemplar aos culpados, independentemen­te da legenda.

– Quem sofre com isso é o Brasil, sem estabilidade, essa roubalheira desenfreada. A sorte é que o Brasil é uma potência, um país muito forte, rico e que se não fosse a roubalheira seria um país do primeiro mundo. En­tão essa é a questão: como cida­dão, independente de política, de partido, a gente sofre como qual­quer brasileiro. Cada um que ar­que com as consequências dos seus atos.

Jovens lideranças também querem saída de Temer

Em campos políticos opostos, em se tratando da política municipal, os vereadores cabofrienses Miguel Alencar (PPS) e Rafael Peçanha (PDT) mostraram a mesma posição no que diz respeito à situação de Temer: ambos querem a queda do presidente e a sua sucessão pelo voto popular.
Do mesmo partido que o ex-ministro Roberto Freire, que se demitiu após o escândalo, Miguel teme que a crise política aprofunde as dificuldades financeiras do Estado e dos municípios.

– É muito ruim porque podem falar o que quiserem, mas a economia estava dando sinais de que iria se acalmar. Todo esse burburinho é muito ruim para o Estado e para os municípios.

Assim como Miguel, Peçanha defende a tese da alteração constitucional que permite a eleição direta para presidente mesmo na segunda metade do mandato, caso Temer realmente saia do cargo. O vereador pedetista é outro que se manifesta preocupado com a instabilidade política.

– O destino político do país fica comprometido. É muito difícil saber quais os próximos desdobramentos de tudo o que está acontecendo. Desde que soube da notícia, eu defendo as eleições diretas e gerais.