Assine Já
quarta, 20 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
Política

Contas reprovadas de Marquinho chegam à Câmara

Parecer contrário do TCE vai para Comissão de Finanças e pode gerar nova inelegibilidade

05 abril 2019 - 09h00
Contas reprovadas de Marquinho chegam à Câmara

O ex-prefeito Marquinho Mendes (MDB) tem mais uma dor de cabeça na sua pretensão de conseguir se candidatar novamente a prefeito de Cabo Frio nas eleições do ano que vem. O parecer prévio contrário do Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE-RJ) das suas contas do ano de 2017 entrou na pauta de ontem da Câmara Municipal e foi enviado para a Comissão de Finanças, Orçamento e Alienação (CFOA) da Casa, presidida por Vinicius Corrêa (PP). Se ao fim do processo, os vereadores decidirem por seguir o parecer do TCE-RJ, Marquinho pode ficar inelegível por oito anos.

Mas a exemplo do que aconteceu com o também ex-prefeito Alair Corrêa, até que o processo tenha desfecho, há um caminho longo a percorrer. A Comissão de Finanças tem um prazo de 60 dias para se manifestar a partir da leitura do parecer do TCE, prevista para ontem, para emitir o seu veredicto. Nesse período, será nomeado um relator entre os membros da comissão para analisar o balanço financeiro do ano retrasado. Ao ex-prefeito também será dado um prazo de dez dias para que apresente a sua defesa. Se o parecer da comissão seguir o do TCE, Marquinho terá que obter quórum qualificado, ou seja, dois terços (12 votos) dos votos dos vereadores em plenário para se livrar da reprovação e da nova inelegibilidade.

O parecer prévio contrário do TCE foi emitido no começo de fevereiro. O voto do conselheiro substituto Marcelo Verdini Maia apontou abertura de crédito adicional de R$ 5.299.689,57 sem a respectiva fonte de recurso. Também foram enumeradas 29 impropriedades, como o déficit financeiro de R$ 2.208.598,08; a inscrição de R$ 2.208.598,08 em restos a pagar não processados sem a devida disponibilidade de caixa; e gasto com pessoal de 66,64% da Receita Corrente Líquida (RCL) do município, que ficou muito acima do teto de 54% estipulado pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), além de uma série de erros contábeis e de problemas nos regimes previdenciários.

Entretanto, no momento, Marquinho já está inelegível por oito anos, por decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), no começo de março.  Ele foi condenado por abuso de poder econômico na eleições de 2016. A decisão deu provimento a um recurso do Ministério Público Eleitoral. A Corte entendeu que Marquinho ofereceu dinheiro e cargos no futuro governo a candidatos a vereador pela coligação adversária. 
Com relação à condenação que o deixou inelegível em 2016 e acarretou na realização da eleição suplementar do ano passado, Marquinho já está livre, uma vez que a pena de oito anos, prevista na Lei da Ficha Limpa, terminou dois dias depois das eleições de 2016.