Assine Já
domingo, 20 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Ciro Gomes

Ciro afirma que pode ser presidenciável, mas descarta rótulo de 'salvador da pátria'

Ex-ministro de Lula e Itamar, político cearense faz palestra no Costa Azul

22 março 2016 - 12h28Por Filipe Rangel
Ciro afirma que pode ser presidenciável, mas descarta rótulo de 'salvador da pátria'

Político falou para uma plateia de cerca de 800 pessoas no clube da Gamboa (Foto: Divulgação)

O ex-governador do Ceará Ciro Gomes – possível candidato a presidente daqui a dois anos pelo PDT – participou de um debate sobre os rumos da polí- tica nacional em um encontro realizado na noite de sexta-feira, no Costa Azul Iate Clube, promovido pelo deputado estadual pedetista Janio Mendes. Ciro pode ter sido o primeiro de vários figurões a debater na cidade; nomes como o de Marina Silva também estão cotados. Ciro falou para uma audiência de cerca de 800 pessoas de perfis heterogêneos: empresários, políticos, professores universitários, alunos, comerciantes e trabalhadores braçais.

Com discurso de fácil compreensão, Ciro, que é advogado por formação e estudou Economia em Harvard, lançou mão de sua experiência como ex-ministro da Fazenda (governo Itamar Franco) e da Integração Nacional (Lula) para questionar a atual política econômica do país, sem deixar de criticar a corrente contrária – a do liberalismo econômico. Ele respondeu perguntas da plateia. Questionado se seria candidato à presidência, desconversou: “não quero, mas pelo visto, vou ter que ser”, disse, arrancando risos da plateia. Ciro também criticou o fisiologismo que convive com a política e traçou um panorama preocupante para o futuro próximo do país. Perguntado se era ele um salvador da pátria, o político foi direto: “Não!”. Estendeu, ainda, a mesma análise à Marina Silva, que, durante campanha de 2014, apresentou-se como ‘alternativa da nova política’.