Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
20ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7914 Óbitos: 414
Confirmados Óbitos
Araruama 1580 102
Armação dos Búzios 474 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Claudio

Chumbinho: ‘São Pedro foi a única cidade que não parou’

Apesar de situação financeira difícil, Prefeito promete investimentos em infraestrutura

21 março 2017 - 00h07Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Chumbinho: ‘São Pedro foi a única cidade que não parou’

 Diferentemente dos colegas vizinhos de Cabo Frio, Marqui­nho Mendes, e Arraial do Cabo, Renatinho Vianna, que pegaram o rescaldo de administrações an­teriores, o prefeito reeleito de São Pedro da Aldeia, Cláudio Chum­binho (PMDB), enfrenta a com­paração com sua própria gestão.

Ciente das cobranças típicas do segundo mandato, Chum­binho reconhece que apesar da chegada de grandes empresas e da geração de emprego nos últi­mos quatro anos, ficou devendo quanto à melhoria na infraestru­tura dos bairros, principalmente pavimentação e saneamento, que elegeu como prioridade para os próximos quatro anos.

Em entrevista à Folha no seu gabinete, o prefeito fala das difi­culdades da arrecadação do mu­nicípio em meio à crise nacional e do estado, mas garante que vai continuar a política de atração de empresas, que negou ser de ‘isenção fiscal’.

– A gente é que tem feito um trabalho com muita transparência junto aos empresários vendendo que São Pedro da Aldeia é o cora­ção da nossa região e o local mais bem localizado para essas empre­sas se instalarem – justifica.

Folha – Qual a situação fi­nanceira de São Pedro hoje?

Claudio Chumbinho – Pre­feito nenhum passou por um momento de crise como eu ve­nho passando. A gente assumiu um dívida enorme não apenas do governo passado, mas de outros governos e logo em seguida pe­gamos o município numa crise política e financeira muito gran­de. Um Estado sem poder ajudar em nada. O Estado nem cuidar da rodovia está cuidando. Fize­mos parcelamento da nossa dívi­da, estamos pagando todo o mês, cumprindo com as obrigações. A nossa cidade foi a única que não parou na região. Com todas as di­ficuldades financeiras, montamos uma equipe qualificada e técnica. A gente vem cumprindo com o salário em dia, Saúde, Educa­ção, limpeza urbana e coleta de lixo funcionando. Nada parou. Entrando na nossa segunda ges­tão, já temos uma Prefeitura or­ganizada e bem planejada. Mas não dá para dizer que a gente está com uma situação financeira boa. Estamos ainda com uma situação difícil, porque a gente está pagan­do dívidas de gestões anteriores e fazendo planejamento na área de Desenvolvimento para melhorar a arrecadação. São Pedro é um município com poucos recursos. Para se ter uma ideia, para arreca­dar R$ 40 milhões com IPTU, até agora só entraram R$ 6 milhões. A população ainda não tem esse hábito. Se cada cidadão cumprir com as suas obrigações de pagar os impostos, com certeza a gente vai investir muito mais na cidade. Nosso trabalho é trazer grandes empresas, gerar emprego e au­mentar a arrecadação.

Folha – Dizem que o segundo mandato costuma ser inferior ao primeiro. Você tem sentido a cobrança para fazer um gover­no melhor que o anterior?

Chumbinho – Somos cobra­dos todos os dias, principalmen­te no segundo mandato. Mas a população está consciente da si­tuação que o país está vivendo: uma crise política muito grande, a corrupção muito grande. Mas a gente vem fazendo o nosso trabalho com transparência. Eu digo sempre que administro a Prefeitura como uma empresa. Eu tenho responsabilidade. As pessoas estão acostumadas com a política antiga, mas eu não tra­balho assim. Desde o primeiro dia, meu foco é trabalhar. Estou todos os dias na Prefeitura, das oito às cinco, seis, às vezes oito horas da noite. A gente não tem horário para sair. Eu me dedico e cobro dos meus secretários todos os dias. Quero o melhor. Pena o momento difícil do país, porque a minha vontade de fazer é muito grande. Mas eu tenho certeza que a hora que sair do meu mandato vou deixar um legado muito gran­de para cidade. Muitas empresas chegaram a São Pedro, outras es­tão chegando. Fechamos agora com uma escola técnica, o Sest/Senat; com uma offshore italia­na, a Remu, a primeira offshore de São Pedro. Mas todos os dias a população vai cobrar, não tem jeito. Principalmente por causa desses escândalos que vêm acon­tecendo na política. Hoje é muito difícil a população acreditar em um político e isso é triste.

Folha – Como você preten­de melhorar o atendimento no Pronto Socorro, que tem sido alvo de reclamações?

Chumbinho – Quando eu entrei, o Pronto Socorro estava fechado e hoje as pessoas conti­nuam reclamando da Saúde. Mas é problema em tudo quanto é lugar. Hoje temos uma UPA pe­diátrica só para atender a crian­ças de zero a 14 anos e o Pronto Socorro atendendo. Em 2016, nós tivemos uma média de aten­dimento no Pronto Socorro de 2.700 por mês. No mesmo ano, chegamos a atender 8.500 pes­soas por mês porque as outras cidades estavam com problemas financeiros. Nesse momento de crise, as populações dessas ou­tras cidades estavam vindo ser atendidas em São Pedro. A gente vem trabalhando, melhorando, mas todos os dias a população cobra cada vez mais. Investimos muito no nosso Pronto Socorro, com reformas e equipamentos. A gente vem melhorando cada dia mais, mas às vezes não depende só do prefeito. Às vezes é um profissional que não atende bem e aí a culpa cai sempre em cima do prefeito. Em todos os aspec­tos. Na área da Saúde, às vezes acontece uma reclamação da po­pulação e é por causa da falta do comprometimento do profissio­nal que está ali para atender. A população já chega ali doente e às vezes não é bem atendida com carinho, com amor e acabam acontecendo as reclamações. Eu tive problema na área da Saúde no início do meu mandato, com mudança de vários secretários. No meu primeiro governo, mudei cinco vezes o secretário. Graças a Deus, agora a gente acertou. A atual secretária (Francislene Ca­semiro) está organizando há seis meses. Já melhorou muito e vai melhorar cada vez mais. A Saú­de é problema em tudo quanto é lugar, até no particular é difícil. Do jeito que pegamos a Saúde e a forma como ela está agora, já melhorou muito.

Folha – Como você pensa em melhorar a arrecadação e quais os investimentos previstos?

Chumbinho – Agora vamos atacar muito forte nessa parte da arrecadação, cobrar que as pesso­as contribuam com suas obriga­ções. Não é obrigação do prefei­to, é obrigação de cada cidadão. Temos hoje um município com 52 bairros, a maioria deles sem pavimentação e saneamento. A gente quer trabalhar muito nesse segundo mandato a preparação dos bairros, mas para isso a popu­lação tem que entender que tem que cumprir suas obrigações. A gente está preparando a Secreta­ria de Fazenda para o recadastra­mento. Contratando uma empresa para fazer o novo geoprocessa­mento, para melhorar a arreca­dação, além de trazer as empre­sas porque o nosso foco nesse segundo mandato é trabalhar nos bairros na área de saneamento e de pavimentação. No primeiro mandato, construímos as escolas e os postos de saúde que precisa­vam ser construídos, investimos em Saúde e Educação, mas o meu foco agora são os bairros.

Folha – A periferia foi ponto de críticas no primeiro manda­to. Será uma prioridade agora? Concorda com as críticas?

Chumbinho – Com certeza. A cidade tem 400 anos. Eu entrei com a cidade cheia de dívidas. Não tinha condição de entrar e investir. Nesse segundo mandato, o foco é atender os bairros. Do Alecrim até Botafogo. A área do Balneário, Praia Linda e todas as áreas que sempre foram esqueci­das pelos governantes. Se você andar em todos esses bairros, quando chove, é um desespe­ro para o prefeito, imagina para quem mora.

Folha – Você vai manter a política de isenções fiscais para atração de empresas? Como equilibrar essa renúncia de re­ceitas com o caixa do município para não ficar como o Estado?

Chumbinho – Na verdade, São Pedro tem dois polos e con­cede uma isenção, que não é uma isenção fiscal. A gente dá a concessão da área por 20 anos e a concessão do IPTU por cinco anos, não é em tudo. São Pedro nem teria condição de dar isenção fiscal, a gente precisa arrecadar. Eu criei um polo automotivo, que dá isenção na área por 20 anos, e na de IPTU por cinco anos. Mas a arrecadação de venda da em­presa, o ICMS e outros impostos, entra para o município. E tem o polo industrial, que fica na área de Botafogo, com isenção de IPTU. As empresas que chegaram a São Pedro não tiveram nenhum tipo de isenção fiscal. A gente é que tem feito um trabalho com muita transparência junto aos empresá­rios vendendo que São Pedro da Aldeia é o coração da nossa re­gião e o local mais bem localiza­do para essas empresas se insta­larem. É esse produto que temos vendido a essas empresas e com isso melhorando o desemprego e a arrecadação da nossa cidade. São Pedro só sobreviveu nesses quatro anos com a crise porque fizemos esse trabalho. E não vai parar. Vamos buscar mais e mais empresas para São Pedro da Al­deia. É nisso que eu foco todos os dias. A Secretaria de Desen­volvimento de Projetos é só para atender aos grandes empresários, para agilizar os processos.