Assine Já
domingo, 27 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cassação do prefeito Alair Corrêa

Cassação do prefeito Alair Corrêa, de Cabo Frio, é arquivada

Apenas quatro vereadores foram contra o encerramento do pedido

24 fevereiro 2016 - 10h28
Cassação do prefeito Alair Corrêa, de Cabo Frio, é arquivada

Somente um dos 16 vereadores presentes subiu ao plenário no horário, na sessão que barrou a cassação

 

Com atraso de meia hora para o início da sessão, a Câmara Municipal de Cabo Frio rejeitou ofício protocolado pelo professor e blogueiro Rafael Peçanha pedindo a abertura de processo de cassação do mandato do prefeito Alair Corrêa (PP). Dos 17 vereadores, quatro se colocaram contra a decisão: Aquiles Barreto (SD), Celso Campista (PSB), Adriano Moreno (Rede) e Jefferson Vidal (PSC). A decisão dos parlamentares acompanhou parecer do procurador da Casa, Luis Flávio Lima, que não encontrou erros no rito processual adotado pelo prefeito, ao contrários dos que foram favoráveis ao pedido. Um vereador faltou à sessão.

– Todos os aspectos formais foram obedecidos tanto pela Câmara quanto pelo Executivo, de forma que não tem nenhum vício formal ou material em relação aos vetos. No entanto, todo cidadão tem direito de peticionar a Casa, por uma questão constitucional Cabe ao plenário acolher ou não a denúncia. Meu parecer é formal, opinativo. Agora, quem decidiu foi o plenário, que ratificou o entendimento de que estava tudo certo. O plenário da Câmara tem a força de votação e foi votado – explicou Lima, que admitiu “pequeno vício da Câmara no início em ter mandado as emendas em anexo, que pode acontecer”.

Mas, segundo ele, a razão dos vetos do prefeito foram encaminhadas através de ofício e não há nenhum descumprimento legal quanto a isso. O professor Rafael Peçanha disse que não se surpreendeu com o arquivamento.

– Claro que o rito não foi seguido. Feriu-se leis municipais, entre outras e vou apurar junto com meu advogado para ver quais responsabilidades da Câmara, de vereadores. No entanto, o resultado não é inesperado e evidencia o que todo mundo já sabe: o poder orgânico da Câmara que faz tudo que o prefeito quer – disparou.

 

*Leia matéria completa na edição impressa da Folha desta quarta-feira (24).