Assine Já
domingo, 17 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
Política

Câmara vai notificar Marquinho sobre contas reprovadas pelo TCE

Líder do governo e sobrinho do ex-prefeito Alair, vereador Vinícius Corrêa (PP) será relator do assunto na Casa

08 maio 2019 - 09h18
Câmara vai notificar Marquinho sobre contas reprovadas pelo TCE

A Câmara de Cabo Frio vai notificar o ex-prefeito Marquinho Mendes a respeito das contas referentes a ano de 2017, reprovadas previamente pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ). A partir da notificação, Marquinho terá dez dias corridos para apresentar sua defesa junto à Comissão de Finanças, Orçamento e Alienação (CFOA), onde tramita o relatório com o balanço financeiro do primeiro ano da gestão mais recente do ex-prefeito, afastado pela Justiça Eleitoral em abril do ano passado.

O próprio presidente da Comissão de Finanças, vereador Vinícius Corrêa (PP), assumiu a relatoria das contas. Vinícius atualmente é líder do governo e é sobrinho do ex-prefeito Alair Corrêa, adversário político de Marquinho e que teve as contas de 2015 e 2016 reprovadas na Câmara no fim de outubro do ano passado. A reportagem entrou em contato com Vinícius para comentar o processo, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição. A comissão ainda tem cerca de um mês para emitir o seu parecer.

Apesar da questão, que pode gerar uma nova inelegibilidade de oito anos para Marquinho, o ex-prefeito tratou de aparentar tranquilidade e disse que solicitou a revisão do parecer pelo TCE. Ao contrário do que dizem os rumores, ele negou que tem se encontrado com vereadores para convencê-los a votar a seu favor na sessão de julgamento das contas.

– Só há uma irregularidade, que é contábil da nossa gestão. Já solicitei que pudesse rever. Tenho certeza que a Câmara vai levar em conta o esforço que fizemos para reconstruir a cidade, que pegamos quebrada. Estou muito confiante, mas faço questão de dizer que respeito o voto de cada vereador – disse Marquinho. 

De acordo com o TCE, os problemas contábeis foram maiores. O voto do conselheiro substituto Marcelo Verdini Maia apontou abertura de crédito adicional de R$ 5.299.689,57 sem a respectiva fonte de recurso. Também foram enumeradas 29 impropriedades, como o déficit financeiro de R$ 2.208.598,08; a inscrição de R$ 2.208.598,08 em restos a pagar não processados sem a devida disponibilidade de caixa; e gasto com pessoal de 66,64% da Receita Corrente Líquida (RCL) do município, que ficou muito acima do teto de 54% estipulado pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), além de uma série de erros contábeis e de problemas nos regimes previdenciários.

Caso o parecer da CFOA também seja pela reprovação, Marquinho terá que obter quórum qualificado, ou seja, dois terços (12 votos) dos votos dos vereadores em plenário para se livrar da reprovação e da nova inelegibilidade de oito anos. Ele já encontra-se inelegível por oito anos pelo TRE-RJ, que acolheu uma denúncia do Ministério Público Eleitoral de abuso de poder econômico nas eleições de 2016.