Assine Já
domingo, 24 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
câmara

Câmara de Cabo Frio analisa orçamento para 2017

Orçamento 2017 é cerca de 10% menor que o deste ano

18 outubro 2016 - 00h35Por Rodrigo Branco | Arquivo Folha
Câmara de Cabo Frio analisa orçamento para 2017

 Com mais de um mês de ante­cedência em relação ao ano pas­sado, o prefeito Alair Corrêa (PP) enviou para a Câmara de Cabo Frio a proposta de orçamento para o ano que vem, o primeiro a ser administrado pela próxima gestão municipal, a partir do ano que vem. Apesar de ser um valor alto, de R$ 782,9 milhões, trata-se de uma redução de quase 10% em relação a 2016, para o qual foram estimadas despesas da or­dem de R$ 863 milhões.

O documento foi enviado para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que tem 15 dias para a analisá-lo. Os vereadores podem sugerir emendas ao pro­jeto do governo, que será votado em plenário. O artigo 147 do Re­gimento Interno também prevê a convocação de audiência pública para debater onde serão aplicados os recursos municipais no ano que vem.

Setor que chegou a ter estado de emergência decretado pelo prefeito, a Saúde teve mais um corte em relação ao ano anterior, passando de R$ 184 milhões para R$ 178,6 milhões (diminui­ção de 3%). Em 2015, o valor destinado para a secretaria tinha sido de R$ 220 milhões.

Para a Educação, o movi­mento é inverso e o setor prevê mais investimentos para o ano que vem, passando dos atuais R$ 253 milhões para R$ 280,4 milhões. Um acréscimo de qua­se 11%. No entanto, o desafio para o próximo prefeito, seja ele qual for – a questão está na Justiça – será tirar do papel os gastos previstos, uma vez que neste ano, quase não houve au­las exatamente por falta de es­trutura nas unidades de ensino, além do atraso no pagamento dos salários dos profissionais.

A proposta enviada por Alair traz outras dificuldades para o futuro prefeito. Sonho de con­sumo manifestado por todos os candidatos durante a campanha eleitoral, o complexo logístico e industrial dificilmente se tor­nará realidade a partir de 2017, pelo menos ao levar-se em con­ta a verba destinada para a sua criação. Pelo orçamento, para a rubrica ‘condomínio logístico’, foram destinados somente R$ 50 mil.

A terceira maior fatia vai ficar com a secretaria de Adminis­tração, com R$ 127,3 milhões. Outros R$ 74 milhões estão destinados para a parte de Ur­banismo, sendo R$ 55 milhões para Serviços Urbanos. Nesta rubrica, também estão incluídos R$ 7,8 milhões do projeto ‘So­mando Forças’, mas esta verba depende de repasse do governo estadual, que enfrenta aguda crise financeira.

Já os programas sociais ficarão com pouco mais de R$ 11 milhões em 2017, menos de R$ 1 milhão por mês. São R$ 297 mil para as­sistência aos idosos; R$ 575 mil para assistência ao portador de deficiência e R$ 2,1 milhões para a programa de proteção à criança e ao adolescente.

Áreas normalmente deixadas de lado pelas administrações pú­blicas a Cultura e o Esporte re­ceberão R$ 3,9 milhões e R$ 2,4 milhões, respectivamente. Para o Legislativo, foram destinados R$ 17 milhões.