Assine Já
quinta, 17 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
14ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 42971 Óbitos: 1659
Confirmados Óbitos
Araruama 10577 334
Armação dos Búzios 5176 57
Arraial do Cabo 1486 82
Cabo Frio 11408 615
Iguaba Grande 4427 107
São Pedro da Aldeia 5868 254
Saquarema 4029 210
Últimas notícias sobre a COVID-19
SUPERA RIO

Auxílio emergencial estadual será liberado até o fim de maio, diz secretário para deputados

A informação foi divulgada durante audiência pública da Comissão de Enfrentamento à Miséria da Alerj

09 maio 2021 - 16h00Por Redação

Até o final de maio o Programa Supera Rio será implementado no estado, segundo o secretário estadual de Desenvolvimento Social, Bruno Dauaire. A informação foi divulgada pelo secretário durante audiência pública da Comissão Especial de Enfrentamento à Miséria, nesta sexta-feira (7). O programa, que prevê um auxílio emergencial de até R$ 300 para a população fluminense e uma linha de crédito de até R$ 50 mil para microempreendedores e autônomos, é de autoria do presidente da Casa, deputado André Ceciliano (PT), com mais 53 coautores, e foi aprovado pela Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) em março.

Segundo Dauaire, já são mais de 200 mil famílias cadastradas para receber o benefício no estado. "Esse é um programa fundamental para o Rio e estamos trabalhando para que as pessoas comecem a receber o benefício", afirmou. Bruno ainda destacou outras políticas da Secretaria que auxiliam no combate à pobreza, entre elas a reabertura de dez restaurantes populares ainda em 2021. "Hoje, inclusive, estamos reabrindo o restaurante de Campos dos Goytacazes, que estava fechado há 4 anos. Nele a população consegue fazer uma refeição pelo custo de R$ 1. Precisamos voltar com esses espaços que salvam vidas", frisou Dauaire. Para a presidente da comissão, deputada Renata Souza (PSOL), essa é uma medida de extrema urgência. Ela lembrou que já pleiteou pela reabertura dos restaurantes no plenário da Casa. "Essa é uma pauta antiga do meu mandato e de outros deputados também. Estaremos aqui cobrando pela reabertura desses espaços", garantiu a parlamentar. Ela ainda destacou que 55% da população no Brasil vive em um estado de insegurança alimentar.

Renata lembrou que desde março, logo após a instalação da comissão, o colegiado tem seguido um plano de ação que envolve visitas a diversos locais em todo o estado, entre elas no Complexo da Maré, no Rio; e no Parque Analândia, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense. "Essa reunião é apenas o início do nosso trabalho, ouvir as sugestões e pensar nas próximas ações da comissão são fundamentais e essa troca é importante para nortear nossos trabalhos", explicou. Os deputados Flávio Serafini (PSol), Waldeck Carneiro (PT) e Enfermeira Rejane (PCdoB) também participaram do encontro.

Cenário pós pandemia

Durante a reunião, a jornalista Flávia Oliveira apresentou um panorama geral da situação do estado e pontuou que os governos precisam ir além do fornecimento de verba emergencial. "É preciso garantir o acesso à saúde pública, à educação e a um plano de habitação para a população que vive na extrema pobreza. Sem isso não vamos conseguir mudar o cenário de miséria que vivemos atualmente e que se agravou ainda mais com a pandemia", disse.

A jornalista também lembrou alguns indicadores do último trimestre do IBGE. "Entre o fim de 2019 e o fim de 2020 aumentou o número de trabalhadores subutilizados no Rio. Significa dizer que o número de desempregados, pessoas com medida de trabalho precárias, pessoas que não encontram oferta no mercado de trabalho ou pessoas que estão acamadas ou cuidando de idosos e crianças estão sem produzir. A soma dessas pessoas alcança quase 2,5 milhões de fluminenses, quase um milhão a mais do computado no último ano", acrescentou.

Para o diretor de Relações Interinstitucionais da Fiocruz, Valcler Rangel, a pandemia tornou a desigualdade social mais latente no estado. "Em um ano os mais ricos conseguiram ficar mais ricos com a pandemia, e os mais pobres, ainda mais pobres. Não há saída se não enfrentarmos todas as questões que permeiam essa doença e não só o vírus", frisou Rangel.

Segundo dados da faculdade de Oxford, apresentados pelo diretor, os pobres vão demorar quatorze vezes mais para recuperar o que tinham antes da pandemia do que os ricos. "Se o estado não entrar fortemente, não teremos como dar a volta por cima. Precisamos fortalecer o SUS e reverter a crise urbana. Não podemos concentrar a ação apenas no vírus, volto a afirmar", concluiu.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.