Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
audiência

Audiência pública em pauta para discutir o Uber

Vereadores defendem debate do assunto com a população

10 janeiro 2017 - 01h36Por Texto: Rodrigo Branco | fotos: Arquivo Folha
Audiência pública em pauta para discutir o Uber

 Se o vereador de Cabo Frio Van­derlei Bento (PMB) pretende ver aprovado seu projeto de lei que proíbe o aplicativo de transporte Uber na cidade terá que gastar mui­ta saliva com os próprios colegas de Câmara, uma vez que eles estão propensos a abrir a discussão sobre a polêmica matéria com a popula­ção. Inclusive, uma enquete no Fa­cebook e uma audiência pública já estão sendo preparados para debater o assunto.

– Vamos levar a discussão à so­ciedade. Não basta decidir de forma solitária na Câmara. Tenho conver­sado bastante e vejo muita gente a favor da proibição, como os taxis­tas, mas a maioria é contra. Vamos fazer uma reunião para decidir essa questão – comentou o vereador Ri­cardo Martins (SD), que faz parte da Comissão de Constituição e Jus­tiça, onde o projeto encontra-se no momento.

O líder da oposição, Rafael Peça­nha (PDT), foi um dos primeiros a defender a inclusão dos moradores na discussão. Ele é contra a proibi­ção do aplicativo.

– Acho que proibir não é a me­lhor solução. Defendi, inclusive na última sessão, que a CCJ convoque audiência pública para discutir a questão geral do transporte com a população – ponderou Peçanha.

Letícia Jotta (PSC), presidente da Comissão de Tutela Coletiva, por onde a matéria ainda vai passar, fala do projeto com cautela. Ela diz que pretende conversar com os co­legas de comissão, inclusive o autor Vanderlei, para dar opinião sobre a questão.

– Quero ouvir o posicionamento da população. Não li tudo, não vi se (o Uber) vai gerar retorno para a ci­dade. Prefiro analisar antes – disse a vereadora.

Codeço: "Nessa crise não tem como impedir que pais de família trabalhem"

Direta, Alexandra Codeço (PRB) falou que é contra a proibição do aplicativo por causa do momento de crise econômica e desemprego. Contudo, ela defendeu a regula­mentação do serviço para aumen­tar a segurança dos passageiros e o recolhimento de impostos para a cidade por parte do Uber. A verea­dora disse ainda que a concorrência estimula a queda do preço para o consumidor.

– Com a crise que o país e o nos­so município vivem, não tem como impedir que um chefe de família trabalhe para sustentar seus familia­res – defendeu.

Entenda a polêmica – O pro­jeto nº 03/2017 entrou na pauta da última quinta-feira e, de cara, ge­rou controvérsia. A matéria acabou encaminhada para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que tem 15 dias a partir da data para po­sicionar-se sobre a questão. O pre­sidente da CCJ, Guilherme Moreira (PPS) prometeu cumprir o prazo.

No Facebook da Folha, milhares de internautas posicionaram-se so­bre o assunto, a maioria em repro­vação à iniciativa. Com o apoio do Sindicato dos Taxistas, Vanderlei Bento marcou posição e defendeu o projeto, como publicado na edição do último sábado.

– (O Uber) não paga taxa nenhuma municipal. Se o táxi paga, por que o Uber não pode pagar? – argumentou.